Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Morre atriz francesa Bernadette Lafont, musa da Nouvelle Vague

media Bernadette Lafont no filme "Paulette", que estreou em janeiro passado. Gaumont Distribution

Morreu nessa quinta-feira, 25 de julho, a atriz francesa Bernadette Lafont. A artista, que tinha 74 anos de idade, foi uma das musas dos cineastas da Nouvelle Vague, como François Truffaut e Claude Chabrol. A causa da morte não foi divulgada.

A carreira de Bernadette Lafont no cinema começou em 1957 ao atuar em “Os Pivetes”, o segundo curta-metragem da carreira de Truffaut. Desde então ela foi presença constante na sétima arte, participando de filmes marcantes, como "Uma jovem tão bela como eu", do mesmo Truffaut, "O ladrão aventureiro", de Louis Malle, ou ainda "Nas garras do vício", de Claude Chabrol.

A atriz de 74 anos continuava ativa, atuando principalmente em filmes populares. Em 2003 ela foi homenageada com um César, o Oscar do cinema francês, pelo conjunto de sua obra. O ano passado foi marcado pelo sucesso do longa “Paulette”, no qual interpretava uma aposentada que vendia maconha para completar sua renda. A produção vendeu mais de um milhão de ingressos. Esse ano ela teve que anular a participação em dois projetos por causa de problemas de saúde.

A morte de Bernadette Lafont foi recebida com tristeza no mundo das artes. O presidente do festival de Cannes, Gilles Jacob, declarou que essa é “uma enorme perda para nosso cinema”. Já a ministra francesa da Cultura, Aurélie Filippeti, lembrou do legado da atriz que, segundo ela, “deixa uma insolência liberadora, característica típica de uma vida à imagem do cinema”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.