Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/05 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 25/05 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 25/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/05 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Depardieu disse que deixou a França porque o país “é triste”

media O ator francês Gérard Depardieu. Reuters/Mikhail Klimentyev/RIA Novosti/Pool

Em uma longa entrevista à televisão belga Notélé, o ator francês Gérard Depardieu disse que deixou a França porque o país é “triste” e afirmou que a população francesa está de “saco cheio”. O ator foi muito criticado ao anunciar a mudança para a Bélgica e foi acusado de ter trocado de domicílio apenas para fugir dos impostos na França.

Não foi o medo dos impostos que fez o ator francês Gérard Depardieu trocar a França pela Bélgica, mas, sim, o ambiente no país. Pelo menos foi essa a justificativa de Depardieu em uma entrevista que foi ao ar neste sábado e está disponível no site da rede belga. “Foi sobretudo essa falta de energia. A França é triste e acho que os franceses estão de saco cheio. Tenho a impressão que as pessoas [o governo] não sabem fazer o trabalho deles”. Depardieu, que havia declarado apoio ao ex-presidente Nicolas Sarkozy, também não poupou críticas ao presidente atual e o qualificou de inexperiente. Ele [o presidente François Hollande] nunca teve uma pasta de ministro”, alfinetou.

Durante a conversa com o jornalista, o ator, que estava na sua casa em Néchin, cidade belga perto da fronteira francesa, apareceu descontraído e usava um colete com o símbolo da Rússia. Ele reafirmou que não é verdade que ele seja um exilado fiscal e disse que paga “50% de impostos” na Bélgica. Mas Depardieu disse considerar “meio exagerada” a política fiscal do governo socialista de François Hollande. “Sou francês. Amo os franceses, mas tenho pena deles porque eles estão em uma situação delicada”.

Gérard Depardieu só fez elogios ao novo lar. Sorridente, ele disse que adora fazer compras no comércio local, disse que comprou uma casa na cidade e colocou à venda sua residência em Paris. Ele disse que já tem amigos na cidade e insistiu que ele não trocou de país "pelo dinheiro" e que não é um  "arrivista”.

Sobre a sua carreira, o ator disse que tem projetos cinematográficos nos Estados Unidos, na Bélgica e na Rússia. No ano passado, Depardieu recebeu a cidadania russa e um passaporte das mãos do presidente russo Vladimir Putin. Ao anunciar a sua mudança, o ator causou grande polêmica na França e até mesmo o premiê francês, Jean-Marc Ayrault, disse que a sua atitude era “lamentável”.

 

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.