Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Ciências

"Epidemia de cesarianas" na América Latina preocupa ginecologistas

media Ginecologistas alertam para epidemia de cesárea no mundo Pixabay

Na véspera da abertura do 22° Congresso Mundial de Ginecologia e Obstetrícia, neste domingo (14) no Rio de Janeiro, a revista científica britânica The Lancet publica nesta sexta-feira (12) um estudo de ginecologistas preocupados com o que chamam de “epidemia de cesarianas no mundo”. Os dados foram coletados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pela Unicef.

O levantamento realizado em 169 países mostra que o número de nascimentos por cesárea quase dobrou em 15 anos, passando de 16 milhões de operações no ano 2000 para 29 milhões e 700 mil em 2015.

Em 60% dos países pesquisados, o número de cesarianas ultrapassou amplamente a média de 10% a 15% de operações necessárias por razões médicas. Uma análise mais detalhada mostrou uma relação entre renda, escolaridade e a opção pelo método cirúrgico.

No Brasil, vice-campeão do mundo em cesarianas, 54,4% das operações envolveram mulheres com elevado nível de escolaridade, contra 19,4% de mulheres com menos estudos. Outros países com altas taxas de cesarianas (mais de 40%) são República Dominicana, Egito, Turquia, Venezuela, Chile, Colômbia e Irã.

Contrastes pelo mundo

Os dados impressionam se comparados com os da África Subsaariana (4,1% dos partos por cesariana em 2015). Na América Latina e nas Caraíbas, o índice é de 44,3%. A Ásia teve um aumento de 6% por ano, subindo de 7,2% a 18,1 entre 2000 e 2015. Na América do Norte (32% em 2015) e na Europa ocidental (26%), o aumento foi de 2% por ano. Na França, a taxa permanece a mesma desde 2010: 20,4%.

Na avaliação da coordenadora da pesquisa, Marleen Temmermann, professora nas universidades Aga Khan, no Quênia, e de Ghent, na Bélgica, "o forte aumento de cesarianas sem razões médicas entre mulheres de maior poder aquisitivo traz riscos para as mães e para as crianças". Uma das vantagens do parto normal apontadas pelos ginecologistas é a transferência natural de bactérias da mãe para o bebê durante o parto normal, fundamentais para o fortalecimento do sistema imunológico dos recém-nascidos.

O Congresso Mundial de Ginecologia e Obstetrícia reunido no Brasil vai discutir algumas hipóteses para essa "epidemia" de cesárias. Entre elas, uma menor competência dos médicos para acompanhar um parto potencialmente difícil por via natural, o conforto da programação de nascimentos de dia e o lucro dos hospitais em caso de cesariana.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.