Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 16/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 16/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Ciências

Uma taça de vinho por dia também faz mal à saúde, aponta estudo

media Taça de vinho diária não é benéfica para a saúde, de acordo com estudo Márcio Resende/RFI

O consumo de álcool cotidiano, mesmo que seja apenas um copo de vinho ou cerveja, é um risco para a saúde, de acordo com um estudo publicado nesta sexta-feira (24) pela revista The Lancet. O álcool mata cerca de 3 milhões de pessoas por ano no mundo, isto é, um a cada três consumidores de bebidas alcoólicas.

No total, 2,2% de mulheres e 6,8% de homens morrem por causa de complicações ligadas ao consumo do álcool anualmente – a pesquisa da revista The Lancet, inclusive, propõe a campanha do “zero álcool”. Em 2016, o produto foi o sétimo fator de risco de morte prematura e invalidez no mundo e a principal causa de falecimento entre pessoas de 15 e 49 anos, provocando acidentes nas rodovias, suicídios, tuberculose, entre outros efeitos.

O hábito de beber um copo por dia durante o ano não para de aumentar entre os consumidores com mais de 15 anos, que passam a integrar as estatísticas de indivíduos com risco de desenvolverem um dos 23 problemas ligados ao álcool, como um câncer, doenças cardiovasculares, AVC ou cirrose.

Pesquisa descarta teoria de que vinho seria benéfico para a saúde

A pesquisa da revista The Lancet contradiz, sobretudo, teses recentes de que beber um ou dois copos por dia seria bom para a saúde, reforçadas pelo presidente francês Emmanuel Macron. “Eu bebo vinho à tarde e à noite. Os jovens se embriagam num ritmo acelerado com bebidas fortes ou com a cerveja, mas isso não vale para o vinho”, disse ele, esse ano, no Salão da agricultura. “O vinho faz parte de nossa cultura, de nossa tradição, de nossa identidade nacional. Ele não é nosso inimigo.”

Para o chefe de Estado, portanto, tudo não passa de uma questão de nível de consumo. Mas Emmanuela Gakidou, pesquisadora da Universidade de Washignton e co-autora do estudo, afirma que “a ideia de que um ou dois copos fazem bem não passa de um mito” e ressalta que somente a taxa de “zero álcool” reduziria o risco global das doenças.

Beber um copo por dia aumenta a taxa de mortalidade no mundo em 100.000 vítimas anualmente, de acordo com Gakidou. Em média, os homens da Romênia, de Portugal e de Luxemburgo são os que mais bebem diariamente. No caso das mulheres, a situação se repete na Ucrânia, em Andorra e em Luxemburgo.

Na França, o consumo masculino é de 4,9 copos todos os dias e o feminino de 2,9. O estudo foi publicado ao mesmo tempo em que o ministério da Agricultura francês anunciou uma alta de 25% na produção de vinho no país em 2018, em comparação com o ano anterior, chegando a 46,1 milhões de hectolitros.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.