Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 16/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 16/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Ciências

Mais calor ainda nos próximos quatro anos, diz pesquisa

media Pesquisa prevê muito mais calor nos próximos quatro anos. VALERY HACHE / AFP

Os próximos quatro anos podem ser ainda mais quentes que os anteriores, com temperaturas superiores às previsões dos modelos climáticos, alertou um estudo publicado nesta terça-feira (14) sobre as mudanças térmicas decorrentes do aquecimento global.

Entre 2018 e 2022, as variações da temperatura média anual dependem da mudança climática provocada pela atividade humana, mas também pela variabilidade intrínseca do clima, o que dificulta as previsões de um ano em relação a outro.

Para que as previsões sejam mais exatas, uma equipe científica inventou um novo sistema de previsões batizado ProCast (probabilistic forecast), baseado em um método estatístico e nos modelos climáticos já existentes.

Esse algoritmo prevê para os próximos quatro anos "um período mais quente do que o normal", que "reforçará de maneira temporária" o aquecimento global, segundo o estudo publicado na revista científica Nature Communications que insiste na ideia de que as mudanças climáticas "não são um processo linear e monótono".

Aumento anormal das temperaturas do mar

Entre 2018 e 2022, o aumento vinculado à variabilidade natural do clima será "equivalente ao aquecimento climático antrópico". Isso fará com que o aumento da temperatura média seja duas vezes mais elevado que o provocado pela atividade humana, explicou à AFP o principal autor do estudo, Florian Sévellec, membro do Laboratório de oceanografia física e espacial do prestigiado CNRS (Centro Nacional de Pesquisas Científicas), na França.

Segundo este estudo, o risco de um aumento anormal das temperaturas do mar será maior, propiciando furacões.

Os últimos três anos foram os mais quentes desde que as temperaturas começaram a ser registradas. Apesar do Acordo do Clima de Paris, em 2015, o planeta se dirige a um aumento de 3°C em relação à época pré-industrial.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.