Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/04 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Grupo Estado Islâmico reivindica ataques no Sri Lanka sem fornecer evidências

Perturbadores endócrinos afetam inteligência antes do nascimento, diz cientista

Perturbadores endócrinos afetam inteligência antes do nascimento, diz cientista
 
Evitar de tomar água em garrafas de plástico também é uma maneira evitar o efeito dos perturbadores endócrinos Flickr.com CC0 1.0 zhrefch

O QI dos humanos está diminuindo, mostram diversos estudos. O mais emblemático deles é a pesquisa publicada pelos cientistas finlandês Edward Dutton e o britânico Richard Lynn, em 2015, na revista Intelligence. Ela confirma a queda do QI, a partir do ano 2000, em países como a França, Noruega, Reino Unido e Finlândia.

A bióloga do instituto francês CNRS Barbara Demeneix confirma essa tese. Autora do livro “Coquetel Toxico – como os perturbadores endócrinos envenenam o cérebro ”, ela explica como essas substâncias têm um efeito negativo nas funções cognitivas.

Em abril deste ano, a cientista, que também dirige um laboratório no Museu de Historia Natural de Paris, concedeu uma longa entrevista à RFI. Segundo ela, os produtos químicos presentes em nosso meio ambiente interferem no funcionamento de uma principais reguladores do desenvolvimento cerebral: o hormônio da tireoide. Essas moléculas, que contêm cloro, bromo ou fluor, podem limitar a absorção do iodo, essencial para o funcionamento da glândula.

As substâncias estão em toda parte: nos alimentos, no ar, nas roupas, nos cosméticos, nos detergentes e nos brinquedos. Áreas urbanas e rurais de países ricos, pobres e emergentes estão expostos a esse bombardeio químico. Até mesmo ursos polares, na longínqua Antártida, que respiram o ar contaminado, são vítimas de seus efeitos.

Segundo Barbara Demeneix, cerca de 143 mil produtos presentes no mercado não foram testados corretamente. Além disso, desde os anos 60, a quantidade deles aumentou 300 vezes. Essa mistura de elementos produzidos pela indústria vai prejudicar a troca de informações entre as células e induzir reações colaterais.

Em seu livro, a pesquisadora de origem britânica destaca que os chamados perturbadores endócrinos prejudicam a saúde dos adultos, mas, para os fetos, eles são ainda mais nefastos. Esses efeitos, diz a cientista, foram atestados em diversos estudos e são corroborados por centenas de endocrinologistas no mundo todo. “Somos muitos a dizer as mesmas coisas e a afirmar: há um problema”, ressalta a pesquisadora.

Onde a baixa do QI no humano entra neste contexto? O TSH, hormônio estimulador da tireoide, fundamental para o desenvolvimento cerebral, depende do iodo, cuja absorção é modificada por algumas substâncias químicas. Entre elas, estão os ftalatos, presentes em plásticos moles, retardadores de chamas de materiais bromados inflamáveis, existentes em aparelhos eletrônicos, pesticidas e parabenos, usados em cosméticos, entre outros.

As crianças, explica Barbara Demeneix, são expostas desde a concepção a esses produtos consumidos pela futura mãe. “A organização do cérebro da criança que vai nascer será alterada. Esse efeito nos pudemos demonstrar com centenas de substâncias. Constatamos que o cérebro de uma criança exposta dentro do útero a certos pesticidas terá menos neurônios do que um outro”, diz a pesquisadora.

Aumento de casos de autismo

A relação entre essas substâncias e o autismo também é um objeto de estudos pelos cientistas. A deficiência do hormônio tireoidiano na gravidez aumenta os riscos do autismo na criança. Presentes no líquido amniótico, que envolve a placenta, os perturbadores endócrinos podem influenciar essa futura condição cerebral, explica a cientista de origem britânica.

Esta hipótese, ainda que não tenha sido oficialmente confirmada, é mais do que plausível, ressalta Barbara Demeneix. “Os pediatras e as pessoas que cuidam dessas crianças estão convencidos. Já a industria, e a as pessoas que trabalham para ela, são outra conversa”, ironiza. O grande perigo, lembra Demeneix, é a exposição a um coquetel de elementos químicos nocivos, como ela descreve em seu livro.

“A criança, na concepção, é exposta a uma mistura de substâncias. Medimos a quantidade dessas substâncias em gravidas nos Estados Unidos e na França. Há dezenas, às vezes centenas de produtos químicos presentes no sangue e que passam no líquido amniótico”, diz a cientista.

Em seu laboratório, ela testou o efeito dos agentes químicos. A pesquisadora e sua equipe expuseram girinos, que também dependem do hormônio tireoidiano para crescer, a 15 substâncias usadas pela maior parte das pessoas no dia a dia – e encontradas no sangue das mulheres gravidas.

Em seguida, a equipe injetou esse coquetel químico nos girinos. “O desenvolvimento do cérebro foi alterado, assim como a sincronização dos hormônios tireoidianos, o número de neurônios e de células da glia (que cercam os neurotransmissores) diminuiu e houve mudança no comportamento dos animais”, diz a pesquisadora.

Segundo ela, quando um modelo testado em animais apresenta esses resultados, é possível constatar que as substâncias, alterando o funcionamento da tireoide, alteram também o cérebro humano. O cavalo de batalha dos cientistas, agora, é que os estudos, no futuro, levem a uma regulamentação mais rigorosa que proteja a saúde dos consumidores.

Enquanto isso, os efeitos do coquetel toxico, podem ser minimizados com algumas medidas, diz a pesquisadora do instituto francês: prestar atenção à composição dos cosméticos, limitar o uso o plástico na cozinha, tomar bebidas quentes em xicaras de vidro ou cerâmica, arejar a casa, comer alimentos orgânicos e desligar todos os aparelhos eletrônicos durante a noite.

 


Sobre o mesmo assunto

  • França/Saúde

    40% dos cosméticos franceses contêm perturbadores endócrinos

    Saiba mais

  • França/Corais

    França quer proteger corais contra ação de produtos químicos

    Saiba mais

  • Meio Ambiente

    Estudantes franceses propõem canudos de amido de milho como alternativa ao plástico

    Saiba mais

  • Saúde

    Agência francesa confirma efeitos nocivos do bisfenol A

    Saiba mais

  • Índia sedia celebrações do Dia Mundial do Meio Ambiente em meio a crise de poluição por plástico

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.