Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Vinho: patrimônio cultural francês ou porta de entrada para o alcoolismo?

Vinho: patrimônio cultural francês ou porta de entrada para o alcoolismo?
 
Vinhas do Chateau Fontbaude, que produz o vinho Côtes de Bordeaux Castillon, em 23 de outubro de 2017, em Saint-Magne-de-Castillon, no sudoeste da França. MEHDI FEDOUACH / AFP

O vinho representa o segundo setor de exportação da França e seu consumo reúne aspectos culturais, econômicos e políticos. Até mesmo o presidente francês, Emmanuel Macron, declarou recentemente que toma duas taças por dia. Segundo ele, o vinho não influencia de maneira tão nefasta o comportamento dos jovens quanto os destilados e a cerveja. Mas, afinal, o vinho é de fato menos perigoso do que as outras bebidas alcoólicas?

A afirmação de Macron indignou um grupo de pesquisadores franceses, apesar da declaração da ministra da Saúde, Agnès Buzin. Na tentativa de apaziguar a polêmica e a posição questionável do chefe de Estado francês, ela lembrou que o vinho é “um álcool como qualquer outro”.

Em uma tribuna publicada em março no jornal Le Figaro, dez especialistas também lembraram que a toxicidade do álcool está diretamente ligada à quantidade ingerida, independentemente de seu teor. De acordo com eles, o alcoolismo mata cerca de 50 mil pessoas por ano na França e o vinho representa cerca de 60% do consumo.

Em sua declaração, Macron também afirmou que não vai endurecer a lei Evin, promulgada em 1991, que limita a publicidade das bebidas alcoólicas que influenciam principalmente os mais jovens. Uma preocupação a mais para os representantes da saude pública, que lutam contra o poderoso lobby da indústria do vinho na França e dos milionários produtores e proprietários dos “châteaux” que produzem os milésimos mais cobiçados do mundo.

O psiquiatra Xavier Laqueille, chefe do setor de tratamento de drogas e outras dependências químicas do hospital Sainte Anne, um dos mais renomados da capital, conversou com a RFI Brasil sobre o tema.

Segundo ele, a chamada “cultura do vinho” pode levar a um consumo excessivo. Ele explica, basicamente, que o alcoolismo se apresenta de duas maneiras: nas bebedeiras de final de semana, que se repetem e a longo prazo podem acabar gerando dependência, ou no consumo frequente de álcool para aliviar um mal-estar psíquico ligado à uma doença mental. Ambas exigem tratamento e podem desencadear quadros diferentes, dependendo do paciente.

O psiquiatra francês Xavier Laqueille, chefe do setor de tratamento de drogas e outras dependências químicas do hospital Sainte Anne, em Paris RFI/ T. Stivanin

“A questão é complicada na França. Somos um pais de tradição vitícola. De uma maneira geral, a mensagem é 'beba com moderação o vinho e os destilados são mais perigosos para a saúde'. Trata-se de um posicionamento cultural. Nossa posição, como médicos, é complicada”, relata.

Segundo ele, como o importante é a quantidade consumida, todas as bebidas são iguais. “O álcool é perigoso. Traz complicações digestivas, hepáticas, neurológicas, psiquiátricas, sociais e profissionais”, lembra o psiquiatra. Ele diz também que a maioria dos pacientes alcoólatras procuram tratamento “tarde demais”.

“Esses pacientes sabem que não poderão nunca mais tomar uma taça de vinho na vida. É algo difícil de aceitar, e é verdade que essa proximidade do produto, no caso do vinho, facilita as recaídas de uma certa forma. Cocaína ou heroína, por exemplo, não são produtos que se encontram tão facilmente, assim como a maconha. Em relação ao vinho, há publicidade por todos os lados, e isso desperta a vontade de consumir”.

O médico reconhece, entretanto, que as bebidas de absorção mais rápida, como os destilados, viciam com mais facilidade, principalmente se começam a ser consumidas na adolescência. Ele também lembra que, há 50 anos, o teor alcoólico do vinho era bem menor, em torno de 7% ou 8%, e que hoje ele chega a 13% ou 14%. No passado, existiam até mesmo os chamados “vin de soif” (vinho para matar a sede, em tradução livre), com menos álcool, consumidos sem moderação, principalmente por trabalhadores rurais que passavam o dia nas plantações.

Bom para o coração, ruim para o fígado

Quem nunca ouviu que beber vinho faz bem para o coração? Essa informação, por incrível que pareça, é verdadeira, como explica o psiquiatra francês. O vinho possui antioxidantes e outras substâncias que ajudam a regular o colesterol, mas não impedem a destruição do fígado pelo álcool.

“Temos uma tradição na França que defende que pode haver um consumo mínimo tolerável. Mas isso é uma questão política, e não de saúde pública. Sabemos que o consumo de 2 ou 3 taças por dia faz com que o risco de câncer seja mais importante”, diz. “O debate não está no campo da Medicina, ele é principalmente cultural e politico”.

O degustador profissional e produtor de web documentários sobre vinhos, Wandel Rocha, radicado na França, acredita que o vinho não é o principal responsável pelo alcoolismo na Europa e no Brasil.

“A porta de entrada para o alcoolismo é certamente a cerveja. São maiores anunciantes da TV e de qualquer mídia. A exposição incitação ao consumo de alcool é muito mais arriscada na cerveja do que no vinho. Na França, a lei Evin enquadra com muito rigor qualquer apologia ao consumo de álcool”, declara. “No Brasil as leis são mais flexíveis e, isso sim, representa um grande perigo de saúde pública”, avalia.


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil

    Produção de vinho despenca no mundo, mas Brasil registra alta de 169%

    Saiba mais

  • Bordeaux recebe 19ª edição do maior festival de vinhos da França

    Saiba mais

  • Brasil registra maior queda na produção mundial de vinho

    Saiba mais

  • Produção mundial de vinho cai 5% devido ao clima

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.