Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Cães e gatos sofrem tanto quanto humanos com a poluição urbana

Cães e gatos sofrem tanto quanto humanos com a poluição urbana
 
Uso de máscaras por cães é medida extrema contra a poluição nas cidades. AFP PHOTO / VIKTOR DRACHEV VIKTOR DRACHEV / AFP

A poluição urbana é um problema de saúde pública que gera medidas drásticas dos governos para diminuir as emissões de gases tóxicos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 7 milhões de pessoas morrem mais cedo no mundo devido a complicações ligadas aos poluentes nas cidades. Poucos se interessam, porém, aos efeitos sobre os animais domésticos – que, como o homem, respiram cotidianamente o mesmo ar contaminado das metrópoles.

Cães, gatos, coelhos – mamíferos que, como os humanos, sofrem com os efeitos das partículas finas e óxido de azoto, os principais gases que, a longo prazo, provocam ou agravam doenças respiratórias, além de favorecer a aparição de cânceres e tumores, além de causar a morte precoce.

Os estudos sobre o tema são raros, a começar pelo fato de que não existe uma instituição que acompanhe o que seria um equivalente à “saúde pública” dos animais. Na Europa, por exemplo, não há estatísticas objetivas sobre o aumento da mortalidade ou das doenças nos bichos de estimação. O que existe é apenas a constatação cotidiana dos veterinários mais experientes, como observa Martine Kammerer, diretora do Centro de Antídodos Animais e Ambientais e professora da Escola Nacional Veterinária de Nantes, na França.

“Infelizmente podemos dizer que não há dados. Para os homens, temos estudos epidemiológicos complexos, com organismos de acompanhamento detalhados. Mas na medicina veterinária, tudo que podemos afirmar sobre a poluição é muito aproximativo e em teoria”, constata a pesquisadora. “Isso vale para o mundo todo: nos Estados Unidos também não há mais dados.”

Gatos com asma e cães com exposição direta a poluentes

Gatos, que possuem tendência a desenvolver asma alérgica, são bastante vulneráveis às micropartículas – ainda mais nos dias quentes, quando a concentração do poluente aumenta no ar. Já os cães, que frequentam mais a rua com seus donos, estão sujeitos à exposição direta dos escapamento dos carros – que ficam bem na altura dos seus focinhos. Nos dois casos, os filhotes e os animais idosos são os mais suscetíveis, a exemplo do que também ocorre com os humanos.

Como a preocupação com o bem-estar animal é um tema em ascensão, os cuidados para diminuir a exposição dos animais domésticos tendem a se amplificar. Uma medida simples é observar se o animal respira com dificuldade durante as caminhadas na rua, e respeitar os seus limites se ele demonstra cansaço. O aumento dos casos de insuficiência respiratória é um sinal deste mal urbano.

“Felizmente, ainda não precisamos colocar máscaras nos cães na hora do passeio, mas podemos nos esforçar para levá-los em parques arborizados, para respirar um ar mais puro. Também podemos preferir os horários de menor exposição aos poluentes, como o amanhecer ou tarde da noite, ou seja, fora dos horários de pico dos automóveis e, principalmente, evitando os congestionamentos”, explica Kammerer. “O passeio não é só para caminhar: é para respirar melhor.”

Passeio com o cachorro deve ser feito longo do tráfego, alerta pesquisadora. AFP PHOTO / JOHANNES EISELE

Animais: termômetros de mazelas para o homem

Ao longo da história, o comportamento da fauna funciona como um termômetro para situações perigosas ao homem, como mostra o desaparecimento das abelhas devido ao uso abusivo de agrotóxicos. O exemplo recente mais marcante talvez seja o dos animais silvestres que “previram” a ocorrência do violento tsunami no sudeste asiático em 2004 e se refugiaram nas colinas antes da chegada da onda devastadora, que matou mais de 220 mil pessoas.

A sensibilidade dos bichos à poluição atmosférica é diferente da do homem, mas a análise sobre os efeitos de diferentes componentes químicos nos animais – e as consequências similares que podem existir nos humanos – é uma das bases da ciência. Por isso, aprofundar os estudos a respeito do impacto da poluição nos animais urbanos pode revelar informações preciosas para antecipar consequências no homem.

É importante também não negligenciar a poluição interna. “Os gatos domésticos, que não saem de casa, são amostras da poluição que temos em casa, em especial os produtos químicos que exalam dos materiais de construção e de limpeza, dos carpetes, das cortinas – os chamados perturbadores endócrinos”, ressalta a pesquisadora francesa. “Os gatos, me parece, têm cada vez mais problemas de tireoide, típicos desse tipo de poluentes. Essa relação é uma hipótese que está sendo explorada por muitos pesquisadores.”

Cuidado para não transformar o seu animal de estimação em fumante passivo. Foto de ilustração Flikcr/ Creative Commons

Outro exemplo: um dono fumante deve preferir abolir o cigarro dentro de casa – do contrário, seu animal se transforma em fumante passivo, sujeito às mesmas complicações de saúde que os homens.


Sobre o mesmo assunto

  • União Europeia

    Conheça os nove países da Europa que desrespeitam os limites aceitáveis de poluição

    Saiba mais

  • Um pulo em Paris

    França dá ajuda de custo para compra de carro elétrico

    Saiba mais

  • Poluição

    Unicef: poluição é perigosa para o cérebro do bebê

    Saiba mais

  • Alemanha/clima

    Emissões mundiais de CO2 devem aumentar 2% em 2017

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.