Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 15/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 15/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 15/01 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 14/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 14/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Ciências

Terra se tornará mais seca, diz estudo

media "A Terra é nosso único planeta", diz o outdoor na entrada do local, em Paris, onde aconteceu a conferência "One Planet", em dezembro de 2017. LUDOVIC MARIN / AFP

Mais de um quarto da superfície terrestre se tornará "significativamente" mais seca, mesmo se a humanidade conseguir limitar o aquecimento global a 2ºC, o objetivo estabelecido no Acordo de Paris, disseram cientistas nesta segunda-feira (1°). 

Segundo um estudo publicado na revista científica Nature Climate Change, com um aquecimento de 2ºC, que pode ser atingido entre 2052 e 2070, entre 24% e 32% da superfície terrestre total se tornará mais seco. No entanto, se contivermos o aquecimento médio a 1,5ºC - a meta mais baixa do Acordo de Paris sobre o clima -, este efeito será limitado a cerca de 8 a 10%, concluíram os pesquisadores.

A 1,5ºC, partes da Europa, África, América Central, Austrália e Sudeste Asiático - áreas que abrigam mais de um quinto da humanidade - "evitariam aridificações significativas", afirmou o coautor do estudo Su-Jong Jeong, da Southern University of Science and Technology em Shenzhen, China. "Conquistar 1,5º C seria uma ação significativa para reduzir a probabilidade de aridificação e impactos relacionados", disse o pesquisador.

"São necessários mais esforços", afirmam cientistas

Jeong e uma equipe usaram projeções de vários modelos climáticos, sob diferentes cenários de aquecimento, para prever padrões de seca terrestre. A aridificação é uma ameaça importante. Ela acelera a degradação da terra e a desertificação, e a perda de plantas e árvores cruciais para a absorção de um dos gases de efeito estufa, o dióxido de carbono. Também intensifica as secas e incêndios florestais, e afeta a qualidade da água para cultivar e beber.

Sob o Acordo de Paris, assinado na capital francesa em 2015, 195 países prometeram reduzir as emissões de gases de efeito estufa provenientes da queima de carvão, petróleo e gás natural que alteram o clima.

Ainda assim, a temperatura média no planeta está a caminho de aumentar em cerca de 3°C, o que, segundo cientistas, levará a supertempestades, aumento do nível do mar, inundações e seca.

"Porque as políticas de mitigação atuais não parecem ser suficientes para atingir o objetivo de aumentar a temperatura em apenas 1,5°C, são necessários mais esforços para mitigar o aquecimento global e reduzir a disseminação da aridificação", disseram os autores do estudo.
 

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.