Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 19/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 19/10 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/10 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 15/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 15/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Europa teme entrada de “salmonstro”, o salmão transgênico canadense

Europa teme entrada de “salmonstro”, o salmão transgênico canadense
 
Canadá foi o primeiro país a aprovar tecnologia do salmão transgênico, em agosto de 2017. captura de vídeo/ abc videos

Desde que o CETA, o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Canadá, passou a valer, organizações ambientalistas europeias estão preocupadas. Os ecologistas temem a entrada de um produto indesejado no menu: o salmão transgênico canadense.

O país se tornou o primeiro do mundo a autorizar a comercialização de um animal geneticamente modificado, para o consumo humano. O salmão, apelidado de “salmonstro” ou “Frankensalmão” pelos detratores dos transgênicos, cresce bem mais rápido do que um peixe tradicional. Ele é produzido pela companhia americana AquaBounty, especializada em biotecnologia, e chega à idade ideal para o consumo em 18 meses, em vez dos habituais 30 meses que leva um salmão selvagem.

O CETA flexibiliza barreiras alfandegárias e, desta forma, abre o caminho para que o produto entre na União Europeia, onde a produção de transgênicos é rigidamente enquadrada. Organizações como a Fundação para a Natureza e o Homem, da França, pressionam Bruxelas para que as regras de fiscalização previstas no acordo sejam revistas.

“Por enquanto, não podemos saber se há riscos desse salmão para o consumo humano. E o principal é que a União Europeia fez uma escolha de sociedade que é se recusar a comer produtos transgênicos e, em especial, os animais. Essa escolha precisa ser respeitada e devemos adotar uma fiscalização eficiente, para termos a certeza de que não haverá salmão transgênico no nosso prato”, explica o porta-voz Samuel Leré. “O CETA não oferece mecanismos para proibir a entrada ilegal desse tipo de produto., e a fiscalização atual é insuficiente.”

A diretora de pesquisas da Unidade de Biologia do Desenvolvimento e da Reprodução do Instituto Francês de Pesquisas Agronômicas (Inra), Corinne Cotinot, afirma que, hoje, não é possível garantir que o consumo de animais transgênicos seja inofensivo ao homem. Ela nota que, na Europa, a regra é seguir o princípio da precaução, enquanto as pesquisas não trazem a certeza sobre os efeitos no homem e na natureza, a longo prazo.

“A cada vez, é um gene diferente e o método para obtê-lo é diferente, por isso não podemos generalizar. Cada caso é distinto, portanto cada problema que o organismo geneticamente modificado pode trazer é diferente de um animal para o outro”, diz a pesquisadora.

Embalagens pouco claras

Cotinot constata que, no caso do salmão canadense, é a falta de transparência que mais gera insegurança. “A reticência das pessoas é ligada ao fato de que, pelo que eu sei, esse salmão não é identificado claramente como salmão transgênico. Acho que o consumidor deve poder fazer as suas escolhas com conhecimento de causa, ou seja, decidir se ele quer comer um salmão transgênico ou não”, assinala. “Se isso não está claro na embalagem, o consumidor vira refém - algo que provoca reações extremamente negativas sobre o produto.”

Comparação de Salmão transgênico

O impacto ambiental também é uma preocupação. O salmão transgênico é produzido em piscinas gigantescas no Panamá, distantes do mar. Porém, acidentes ambientais não podem ser descartados, por erro humano ou uma ação intencional.

“O que é certo é que os transgênicos, sejam plantas ou animais, criam riscos para a natureza. Se salmões transgênicos escaparem do local onde eles são produzidos, haveria riscos para a população selvagem de salmões, afinal não temos certeza sobre como seria a interação e a reprodução entre eles”, indica Samuel Leré.

Independência das pesquisas

A diretora de pesquisas do Inra é mais cética sobre a hipótese de os salmões transgênicos irem parar na natureza. Mas ela levanta a questão dos interesses por trás das companhias privadas que realizam esse tipo de produção.

“Em matéria de animais geneticamente modificados, é preciso avançar com prudência e ter todas as cartas na mão antes de tomar decisões. É muito importante que os organismos públicos possam fazer pesquisas independentes – e, para isso, eles precisam de recursos financeiros suficientes, para que os testes e estudos sejam realmente independentes”, ressalta a cientista.

O salmão está longe de ser o único animal visado pelas pesquisas genéticas. Os estudos para aumentar a resistência de frangos à gripe aviária avançam no Reino Unido, enquanto os canadenses aprimoram as modificações genéticas em porcos para que emitam menos fosfato na atmosfera. Por enquanto, os resultados obtidos não liberam os animais para o consumo humano.


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil

    “O tempero preferido dos brasileiros são os pesticidas”, diz Le Monde

    Saiba mais

  • Meio Ambiente

    França acirra briga para proibir agrotóxico mais usado no mundo

    Saiba mais

  • União Europeia

    UE abre investigação sobre a compra da Monsanto pela Bayer

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.