Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Ciências

Cientistas holandeses apontam limite da longevidade humana

media Brasil fica em 58ª posição em ranking de bem-estar dos idosos. Palestra Procon Direito do Idoso. Foto: Marcos Pertinhes. Flickr/ Creative Commons

Pesquisadores holandeses afirmaram nesta quinta-feira que estabeleceram o teto da longevidade humana em 115,7 anos para as mulheres e em 114,1 anos para os homens, apesar do aumento da expectativa de vida.

Estatísticos das universidades de Tilburg (sul) e Roterdã analisaram os dados relativos às últimas três décadas de uma amostra de cerca de 75.000 holandeses, cuja idade exata no momento da morte foi registrada, explicou John Einmahl, um dos três cientistas que dirigiu o estudo.

"Em média, hoje vivemos mais tempo, mas os que têm mais idade entre nós não envelheceram mais nos últimos 30 anos", explicou à AFP John Einmahl; "Certamente há uma espécie de muro aí", continuou o cientista. Mas "evidentemente a expectativa de vida aumentou", indicou, observando que o número de pessoas que chegaram aos 95 anos na Holanda tinha quase triplicado.

"No entanto, o teto em si não mudou", concluiu.

Os resultados deste estudo holandês chegam após os dados publicados por um grupo de pesquisadores nos Estados Unidos, que determinou um limite similar no ano passado.

Einmahl e seus colegas demonstraram que a longevidade máxima não apresentou quase nenhuma flutuação nas últimas décadas.

O pesquisador acrescentou, no entanto, que ainda havia algumas pessoas que tinham sido exceções à norma, como a francesa Jeanne Calment, o ser humano que viveu mais anos entre as pessoas cuja data de nascimento foi certificada. Ela morreu em 1997, aos 122 anos e 164 dias de idade.

(com informações da AFP)
   

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.