Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 12/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 12/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 12/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 12/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 12/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 12/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

"População trans ainda é muito estigmatizada", diz Inês Dourado, especialista em HIV

 
A médica brasileira Inês Dourado na campanha parisiense de prevenção contra a Aids. Divulgação

A saúde das pessoas trans foi um dos destaques da 9ª Conferência Internacional em Ciência do HIV, que aconteceu em Paris, de 23 a 26 de julho, reunindo mais de seis mil especialistas para discutir o avanço da epidemia de Aids no mundo.

Inês Dourado, médica, pesquisadora e professora universitária da Universidade Federal da Bahia (UFBA), participou do evento para falar sobre a importância da adoção do PrEP por pessoas trans. "Essa população tem uma carga de HIV elevada, já comprovada por vários estudos, por isso ela deve ser incorporada não só em programas de pesquisas, como governamentais para o uso da profilaxia pré-exposição ao vírus”, diz a especialista.

PrEp oferece proteção altíssima

“É uma medicação para se evitar uma infecção, para proteger as mulheres trans, além de evitar cerca de 90% dos casos de contaminação", explica a mécica. "Temos evidências, a partir dos vários estudos já realizados em vários lugares do mundo, inclusive no Brasil, que se a pessoa usar o tratamento adequadamente, a proteção é altíssima, de até 98%”, conta Inês Dourado.

Em relação ao intercâmbio de ideias e conclusões com outros especialistas do mundo durante o IAS2017, ela chega à conclusão que o Brasil tem uma prática avançada na luta contra a Aids, uma vez que vai incorporar as PrEp no serviço público de saúde, “com acesso universal, tanto para as mulheres trans como para algumas populações de homens que fazem sexo com homens, segundo algumas diretivas da Organização Mundial de Saúde”.

Inês Dourado destaca ainda o grande estigma e discriminação sofridos pela população trans no Brasil e insiste na importância de se trabalhar contra “barreiras estruturais e de acesso ao serviço de saúde e de questões de todas as ordens, incluindo sociais e econômicas”.

Ouça a entrevista completa de Inês Dourado clicando no vídeo abaixo:

 


Sobre o mesmo assunto

  • França/conferência

    Paris: cientistas alertam para cortes nas pesquisas em conferência sobre a Aids

    Saiba mais

  • Aids/ONU

    Mortes relacionadas à Aids caíram pela metade desde 2005, anuncia ONU

    Saiba mais

  • Brasil precisa tratar do preconceito contra portadores de HIV, diz ativista

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Luiz Loures, da Unaids: “Jovens pensam que epidemia da Aids é coisa do passado”

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.