Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 15/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 15/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 15/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 15/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

“Brasil está no top 5 das vítimas do ciberataque”, diz especialista

“Brasil está no top 5 das vítimas do ciberataque”, diz especialista
 
Fábio Assolini, analista de segurança da Kaspersky Arquivo Pessoal

Um ataque cibernético de escala planetária fez o mundo real tremer nas bases neste final de semana. E a tensão continua, nesta segunda-feira (15), com bilhões de computadores voltando à rotina de trabalho. Para Fábio Assolini, analista de segurança da Kaspersky (gigante russa especializada em softwares de segurança) no Brasil, outros ataques vão acontecer.

Na última sexta-feira (12), mais de 200 mil usuários foram afetados em pelo menos 150 países por um vírus chamado “WannaCry”, que bloqueia arquivos de usuários e exige o pagamento de um resgate – em bitcoins, moeda cibernética de difícil rastreamento - para que o acesso seja recuperado. No Brasil, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e o INSS no Rio de Janeiro foram algumas das instituições atingidas.

“O Brasil está entre os ‘top 5’ dos países mais atingidos”, explica Fábio Assolini. Uma das razões, “é o grande número de cópias pirateadas do sistema Windows, pois muitos usuários e empresas que fazem isso desativam as atualizações de segurança – sem esses updates, as redes ficam vulneráveis”, diz o especialista. “É um problema cultural e financeiro, por causa do preço das licenças”, acrescenta.

Assolini conta que os “ransomware” - vírus que trava sistemas e pede resgate para liberação - não são novidade, o primeiro que se tem notícia data de 1989, época em que ainda se usavam disquetes. Mas a popularização do bitcoin, que não tem lastro e é uma moeda anônima, provocou um “boom gigantesco e a propagação desses ransomware em nível global”, explicou o analista. "E outras pragas cibernéticas vão acontecer", alertou Assolini.

Para saber mais sobre essa poderosa ameaça global, clique na foto de Fábio Assolini.
 


Sobre o mesmo assunto

  • Países retomam trabalho nesta 2ª-feira sob temor de novos ciberataques

    Saiba mais

  • Ataque mundial

    Ataque de hackers atingiu 150 países e pode não ter terminado

    Saiba mais

  • Países europeus são alvo de ciberataque que exige resgate para desativar vírus

    Saiba mais

  • Ciberataque na Espanha paralisa Telefónica, gigante das telecomunicações

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.