Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 21/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 21/10 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 21/10 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 21/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 21/10 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 20/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Conheça o "burn out parental", distúrbio que vem sendo detectado em pais e mães

Conheça o
 
O burn out parental é um distúrbio que pode transformar o sonho de muitas pessoas de ter filhos em um verdadeiro pesadelo. acessemed.com.br

O dia a dia atarefado, as inúmeras obrigações a cumprir, o cansaço físico e psicólogico, aliados à falta de tempo hábil para passar com os filhos e a pressão para ser uma mãe e um pai perfeitos são sensações cada vez mais frequentes nas famílias. Esse estresse crônico vem se tornando tão comum que ganhou até mesmo um nome na psicologia: o burn out parental, um distúrbio que pode transformar o sonho de muitas pessoas de ter filhos em um verdadeiro pesadelo.

A síndrome do burn out , termo em inglês que significa exaustão, é frequentemente relacionada ao trabalho. Mas psicólogos vêm diagnosticando frequentemente um estresse similar ligado à função da parentalidade.

O assunto é tratado em um livro que faz sucesso na França, publicado no início deste ano por duas pesquisadoras da Universidade de Louvain, na Bélgica. Uma das autoras do "Le Burn-out parental: L’éviter et s’en sortir" ("Burn Out Parental, como evitá-lo e resolvê-lo", tradução livre) Moïra Mikolajczak, explicou à RFI que até hoje poucos foram os estudos científicos realizados sobre a questão.

"Há um grande número de estudos sobre estresse de pais que têm que lidar com filhos gravemente doentes. Mas o que mostra nosso estudo é que para desenvolver esse distúrbio não precisamos ter um filho doente, e que podemos até ser vítima do burn out parental tendo apenas um filho, e essa criança nem precisa ter alguma complicação ou ser uma criança difícil", diz.

O burn out parental é definido pela especialista como um cansaço profundo, emocional e "que não vai desaparecer com algumas noites de sono". A principal consequência do distúrbio que pode atingir tanto pais quanto mães é uma distância afetiva dos filhos.

"Entre a maioria das mães e pais que entrevistamos nos estudos sobre o burn out, detectamos um fenômeno de negligência às crianças, e, nos casos mais graves, episódios de violência verbal ou física contra os filhos. E, ressaltamos, isso acontece entre os pais e mães que não são violentos e que não têm o hábito de recorrer à violência para educar os filhos. Com o burn out parental, eles acabam se tornando o oposto daquilo que queriam ser. E isso está ligado à pressão à qual as pessoas se impõem, para serem mães ou pais perfeitos de um filho perfeito", explica Moïra Mikolajczak.

A francesa Delphine, de 32 anos, é mãe de dois meninos. Para ela, a busca da perfeição na maternidade está na origem do distúrbio. Ela contou sobre como viveu o burn out parental, em entrevista à RFI :

"Nos projetamos nos nossos filhos. Pensamos que eles têm que ser perfeitos e que nós, pais, também temos que ser perfeitos. Quando chegamos neste ponto é porque estamos correndo atrás de um ideal que nos impomos e que impomos às nossas crianças. Na pior fase do meu burn out, a sensação que eu tinha era de ser perseguida por meus filhos. Eu pensava: por que eles estão fazendo isso comigo? Por que eles me impedem de dormir, de comer, de tomar banho? Eu transferia toda a responsabilidade do meu burn out a meus filhos. Quando cheguei a um ponto em que comecei a pensar: 'tirem essas crianças daqui! não posso mais nem olhar para eles!’, comecei a pensar a procurar ajuda."

Burn out parental é mais frequente nas mulheres no Brasil

A gaúcha Shirley Hilgert, mãe de dois meninos, escreve abertamente sobre sua experiência do burn out parental em seu blog Macetes de Mãe. À RFI, ela contou que descobriu ser vítima do distúrbio ao ler um texto sobre o assunto na internet.

"É um tipo de estresse anomal, eu já estava há meses sentindo aquilo e era tão profundo que muitas vezes eu pensava que teria um ataque cardíaco. O que mais me incomodava era a repetição das tarefas do dia a dia relacionada às crianças e à casa, o que me fazia perder a paciência e me deixava irritada constantemente. E a impressão que eu tinha era que aquilo sugava toda a minha energia", relembra.

Para ela, no Brasil, o desenvolvimento deste tipo de distúrbio ainda está relacionado com a desigualdade da divisão das tarefas entre pais e mães. Shirley conta que conhece muitas mães que enfrentam o problema, mas que nunca conheceu nenhum pai brasileiro que estivesse passando por um burn out parental.

"Conheço pais em estado estresse extremo por causa do trabalho, mas não devido à função de ser pai. Mas mulheres eu conheço muitas que desenvolveram o burn out devido à rotina da casa e dos filhos. Isso porque, aqui no Brasil, a tarefa de cuidar e educar dos filhos ainda fica muito sob responsabilidade das mães. Em geral, nas famílias brasileiras, infelizmente, as tarefas ainda não são divididas de forma igualitária com o marido."

Shirley conseguiu sozinha gerenciar seu burn out e não chegou a procurar ajuda médica. Ela deixa alguns conselhos para quem estiver passando pelo mesmo problema. "Em primeiro lugar, é preciso tomar consciência de que aquela situação que você está vivendo não é normal e não é saudável. Você pode ter vários filhos, ter um trabalho, cuidar da casa e viver de forma equilibrada. Caso você perceba que existe um desequilíbrio, você pode buscar ajuda com um psicólogo ou tentar reorganizar sua rotina, tentando entender de que forma você pode facilitá-la", preconiza.

Para ela, para lutar contra situações de estresse durante a maternidade, duas atitudes são necessárias : deixar de lado a busca pela perfeição e pedir ajuda sempre que as tarefas se acumularem. "Dividir as tarefas com o pai e aceitar a ajuda dos avós, tios, irmãos para a mãe ter um tempo de folga. E aceitar, com naturalidade e sem culpa, que as mães também têm direito à folga e diversão que não incluam os filhos. Eu percebo muito nas mães brasileiras essa culpa e essa necessidade de ter que viver para os filhos sem ter um momento para elas e isso também pode contribuir para elas desenvolverem o burn out", conclui.

"Le Burn-out parental: L’éviter et s’en sortir"- "Burn Out Parental, como evitá-lo e resolvê-lo", tradução livre. odilejacob.fr


Sobre o mesmo assunto

  • Estresse no trabalho pode ser considerado doença profissional na França

    Saiba mais

  • Estudo/ igualdade

    Temendo impacto na carreira, homens resistem a licença paternidade

    Saiba mais

  • Saúde

    Cérebro de grávidas "diminui" para se adaptar à maternidade

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.