Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 15/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 14/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 14/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 14/12 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • União Europeia aprova segunda fase de negociações sobre o Brexit
Ciências

Casos de depressão aumentam quase 20% en 10 anos

media Casos de depressão crescem no mundo Divulgação

Os casos de depressão aumentaram quase 20% na última década, transformando-se na maior causa de incapacidade no mundo, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira (30).

O número de pessoas com depressão chegou em 2015 a 322 milhões, 18,4% a mais que em 2005, indica a organização.

"Estes novos números são um sinal de alerta para que todos os países repensem sua visão da saúde mental e a tratem com a urgência que ela merece", disse a diretora geral da OMS, Margaret Chan, em um comunicado.

Segundo a definição da OMS, a depressão é muito mais que um acesso de melancolia. Trata-se de um transtorno mental no qual o afetado mostra "uma tristeza permanente e uma perda de interesse pelas atividades que as pessoas costumam desfrutar, acompanhadas da incapacidade de realizar tarefas diárias, durante duas semanas ou mais".

A depressão também pode provocar sentimentos de culpa ou falta de autoestima, transtornos do sono ou de apetite, sensação de cansaço e falta de concentração. Nos casos mais graves, pode levar ao suicídio.

A queda da produtividade e doenças vinculadas à depressão têm um alto custo global, que a OMS calcula em um trilhão de dólares por ano.

Temor do estigma

SheJar Saxena, diretor do departamento de saúde mental e abuso de substâncias, lembrou que tanto os tratamentos psicossociais como os médicos podem ser muito eficazes e insistiu na importância de atender mais pessoas que precisam de ajuda.

Nos países mais desenvolvidos, quase metade dos depressivos não foram diagnosticados nem recebem, portanto, nenhum tratamento.

Esse número chega a entre 80% e 90% dos casos nas nações menos desenvolvidas, segundo a organização da ONU dedicada à saúde.

O tratamento pode ser de difícil acesso, e o temor a ser estigmatizado impede com frequência que os afetados procurem ajuda.

Evitar o suicídio

Segundo a OMS, cada dólar investido em ampliar os tratamentos produz quatro dólares de lucro, devido à melhora da saúde e da produtividade dos trabalhadores.

A redução dos casos de depressão também tem um grande impacto no número de suicídios. "Uma identificação e um tratamento precoces da depressão são uma maneira muito eficaz de reduzir o número de mortes por suicídio", disse Saxena.

Quase 800 mil pessoas se suicidam por ano no mundo, o que equivale a um suicídio a cada quatro segundos. E a relação com a depressão é clara.

Saxena mencionou estudos que apontam que entre 70% e 80% das pessoas que acabam com a própria vida nos países ricos e cerca de metade das que se suicidam nos Estados pobres sofrem com transtornos mentais, principalmente depressão.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.