Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Ciências

Astronauta francês realiza 1ª missão fora da Estação Espacial

media O astronauta Thomas Pesquet fotografado do lado de fora da estação ESA/NASA

O astronauta francês Thomas Pesquet, que decolou no último dia 17 de novembro e se encontra na Estação Espacial Internacional (ISS, sigla em inglês), contou em entrevista exclusiva à RFI como foi sua primeira saída ao exterior da base.

Com seu colega norte-americano Shane Kimbrough, ele realizou uma operação de manutenção da ISS, instalando novas baterias. Não se trata de uma atividade corriqueira, porque exige horas de treinamento na Terra e uma longa preparação a bordo da estação.

As condições são extremas: a temperatura varia entre -100°C et 150°C, dependendo da posição da ISS (lado noite ou dia da Terra). É por isso que os astronautas consideram seu uniforme como um tipo de "nave espacial portátil”. Ele pesa quase 200 kg, e eles precisaram de algumas horas para “vesti-lo”.

"Eu achei que fazia calor e que o sol brilhava forte. Quando saímos, estávamos do lado ensolarado da órbita. Quando estamos fora, quando não estamos protegidos pela ISS ou pela atmosfera da Terra, o sol esquenta muito, mas muito mesmo. Sentimos imediatamente o calor e tivemos que colocar a viseira dourada do capacete para não ser ofuscados.”

Mas não são apenas as condições térmicas que devem ser administradas: há igualmente a falta de gravidade.  "Eu senti um pouco as mesmas sensações que na piscina de treinamento, mas ainda mais instável. Porém não há grandes diferenças porque somos bem treinados. Meu corpo compreendeu imediatamente que ele não caía, então não tive sensação de vertigem ou de medo. Ao contrário, foi bem legal. Eu sabia que podia soltar as mãos que eu não iria muito longe.”

Contra o relógio

Mas os astronautas não tiveram tempo de ficar contemplando a vista da Terra, a 400 km abaixo. A saída estava prevista para durar sete horas no total. “Nos concentramos imediatamente no programa. Na segunda vez que eu vi a Terra, já fazia umas três horas que estávamos do lado de fora.”

Thomas Pesquet e Shane Kimbrough foram eficazes: conseguiram finalizar o trabalho uma hora antes. Lionel Ferra acompanhou a missão bem de perto: ele tem a função chama de “Eurocom”, no Centro de Astronautas Europeus, em Colônia (Alemanha). É ele que se comunica com os astronautas quando eles saem da estação.

"Thomas realizou uma excelente saída. Ele completou o programa principal e, com Shane Kimbrough, realizou seis tarefas complementares. Eles fizeram tudo em seis horas, o que foi muito bom, já que eles ainda tinham uma hora suplementar de autonomia dos escafandros”, afirmou.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.