Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/06 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/06 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/06 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/06 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/06 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Ciências

Costela de dinossauro tem tecido mole mais antigo já encontrado

media Costela de dinossauro tem tecido mole mais antigo já encontrado AFP

A costela de um dinossauro herbívoro de pescoço longo que viveu há 195 milhões de anos forneceu o que pode ser o vestígio de tecido mole mais antigo já recuperado, disseram cientistas nesta terça-feira (31).

A descoberta promete uma chance de extrair pistas raras sobre a biologia e a evolução de animais extintos há muito tempo, escreveu uma equipe de pesquisadores na revista científica Nature Communications.

Essas informações são, em sua maioria, ausentes em esqueletos duros preservados, que formam a maior parte dos registros fósseis.

"Nós mostramos a presença de proteína preservada em um dinossauro de 195 milhões de anos, pelo menos 120 milhões de anos mais antiga do que qualquer outra descoberta similar", disse o coautor do estudo Robert Reisz, da Universidade de Toronto Mississauga.

"Essas proteínas são os blocos de construção dos tecidos moles de animais, e é emocionante entender como eles foram preservados", acrescentou.

Reisz e uma equipe escanearam um osso de costela de Lufengossauro, um dinossauro comum no período Jurássico Inferior, que media até oito metros de comprimento.

Os pesquisadores usaram um feixe de fótons no Centro Nacional de Pesquisa de Radiação Síncrotron em Taiwan para examinar o interior do osso, especificamente seus conteúdos químicos.

Proteínas de colágeno

Eles encontraram evidências de proteínas de colágeno dentro de pequenos canais na costela e concluíram que se tratava "provavelmente de restos dos vasos sanguíneos que forneciam sangue para as células ósseas do dinossauro vivo".

A maioria dos estudos anteriores extraíram restos orgânicos através da dissolução de outras partes do fóssil. Com o método síncrotron, isso não é necessário, e até mesmo os restos mais antigos podem ser revelados sem danificar os ossos de dinossauros.

A descoberta mais antiga anterior de suspeita de hemácias e fibras de colágeno foi relatada em 2013, em dinossauros que viveram cerca de 75 milhões de anos atrás.

Proteínas e outros resíduos orgânicos geralmente se decompõem logo após a morte de um animal. Durante a fossilização, o espaço que esse material ocupa no interior do osso é preenchido por depósitos minerais transportados por águas subterrâneas. Portanto é muito raro encontrar tecidos moles fossilizados.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.