Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 15/02 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 15/02 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 15/02 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 15/02 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/02 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/02 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 10/02 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 10/02 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Estudo diz que trabalhar demais depois dos 40 faz mal para o cérebro

Estudo diz que trabalhar demais depois dos 40 faz mal para o cérebro
 
Após os 40 deve-se trabalhar somente três dias por semana, afirma estudo REUTERS/Axel Schmidt

Você já deve ter ouvido aquela máxima de que o cérebro, assim como o nosso corpo, precisa estar em constante exercício para ficar em forma. Manter-se em atividade seria bom para combater os desgastes cognitivos naturais que vem com a idade, certo? Não é bem assim, segundo um estudo realizado em Melbourne, na Austrália.

Médicos e cientistas aplicaram testes cognitivos em cerca de 6 mil pessoas e concluíram que trabalhar demais depois dos 40 anos pode fazer mais mal do que bem para o cérebro. O ideal, dizem eles, seria trabalhar não mais do que três dias por semana, para manter o cérebro na melhor forma possível.

Será então que o melhor mesmo, depois dos 40 anos, é desacelerar? “Uma droga pode te salvar e a mesma droga pode te matar. O que faz a diferença é a dosagem”, compara Ana Lúcia Chiappetta, fonoaudióloga e doutora em Neurociências da UNIFESP. “A meta e a cobrança são nefastos para todas as idades. Manter-se ativo do ponto de visto motor e cognitivo continua sendo benéfico, mas a maneira como você lida com essas atividades, pode ser benéfica ou maléfica”, explica.

A pesquisa australiana aplicou diferentes testes nos pacientes. Foram leituras em voz alta, memorização de listas e desafios de combinar cores e letras. A conclusão: pessoas que trabalham mais de 60 horas por semana tiveram desempenho pior do que aquelas que não faziam quase nada.

Ponto de equilíbrio

O Dr. Norberto Frota, coordenador o grupo científico de Neurologia Cognitiva e do Envelhecimento da Academia Brasileira de Neurologia, diz que o estudo australiano confirma algo que já era percebido por seus pares. “O que a pesquisa mostra é a intensidade. É preciso ter um limite, a partir do qual a atividade passa a ser danosa. A ideia não é ficar sem fazer nada, é não sobrecarregar. A curva não é linear: chega um momento que eu acabo sobrecarregando meu sistema”, afirma Frota.

Em um momento em que a população mundial envelhece e quase todos os países começam a retardar a idade da aposentadoria, saber que não faz bem trabalhar demais com idade avançada não é lá uma boa notícia. Mas, mais importante do que trabalhar menos, dizem os especialistas, é trabalhar em atividades menos estressantes, como explica a Dra. Chiappetta: “Quando está sob pressão e ansioso, você libera cortisol e adrenalina, que provocam uma série de eventos em cascata, como excesso de açúcar e diminuição da melatonina, que corta o sono. São situações que degradam os seus neurônios.”


Sobre o mesmo assunto

  • França/ ciência

    Chip no cérebro para combater doenças? Colóquio debate futuro da tecnologia na saúde

    Saiba mais

  • Nobel/Medicina

    Nobel de Medicina vai para “GPS” do cérebro

    Saiba mais

  • Saúde

    Capacidade do cérebro diminui a partir dos 45 anos, aponta estudo

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.