Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Ciências

Obesidade pode acelerar envelhecimento cerebral, diz estudo

media Obesidade pode acelerar envelhecimento cerebral, diz estudo. Getty/Rick Elkins

Pessoas obesas ou com peso acima da média apresentam sinais de envelhecimento cerebral mais antecipados que as de peso normal a partir dos 40 anos, de acordo com uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (4) pela Universidade de Cambridge.

O envelhecimento acelerado é observado essencialmente na chamada massa branca, tecido conectivo que permite a comunicação entre diferentes regiões do cérebro. O cérebro se atrofia progressivamente com a idade tanto na massa branca quanto na cinzenta, que contém os neurônios e permite o armazenamento de informações.

Entre 473 pessoas com idades entre 20 a 87 anos, os pesquisadores descobriram que, a partir dos 40 anos, o cérebro de uma pessoa obesa parece ser dez anos mais velho, de acordo com o estudo publicado na revista Neurobiologia do Envelhecimento.

Por outro lado, não foram observadas diferenças nas capacidades cognitivas medidas por testes convencionais, como o exame de QI.

Fenômeno ainda é incôgnita para especialistas

Lisa Ronan, uma das autoras do estudo, reconheceu à AFP que não poderia dizer exatamente as razões do fenômeno. Ela acrescentou ser impossível, por enquanto, determinar se a obesidade era a “causa” ou a “consequência” dassas mudanças no cérebro.

"Trata-se de um sinal claro que este deve ser um ponto de partida para explorar em mais profundidade os efeitos do peso, dietas e exercícios no cérebro e na memória”, afirmou Sadaf Farooqi, coautor da pesquisa.

Os critérios para “obesidade” e “excesso” de peso são calculados a partir de uma relação entre altura e peso, conhecida como Índice de Massa Corporal (IMC). O estudo em questão reuniu a obesidade e o excesso na mesma categoria, para fins de pesquisa, em comparação ao peso normal.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.