Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Ciências

Pesquisadores descobrem anticorpos que “neutralizam” zika

media Mosquito Aedes aegypti transmite a dengue e o zika. REUTERS/Paulo Whitaker

Pesquisadores europeus anunciaram nesta quinta-feira (23) ter descoberto "poderosos" anticorpos capazes de "neutralizar" o vírus da zika. A descoberta abre caminho para uma vacina contra o vírus, relacionado a uma série de problemas cerebrais.

O estudo foi publicado na prestigiosa revista científica Nature. A descoberta coincide com uma outra pesquisa, também divulgada nesta quinta-feira, que sugere que a recente explosão de zika na América Latina poderia ter sido favorecida por uma pré-exposição à dengue.

Os dois vírus têm vários aspectos em comum. Pertencem à família dos flavovírus, transmitidos especialmente por mosquitos.

Semelhanças com a dengue foram decisivas

Pesquisadores do Instituto Pasteur de Paris, do CNRS e do Imperial College de Londres, que já estudavam os anticorpos capazes de combater a dengue, passaram a analisar igualmente o vírus do zika. Eles selecionaram dois anticorpos EDE capazes de bloquear a dengue e descobriram que um era particularmente eficaz para "neutralizar" o zika.

A partir daí, conseguiram reconstituir o local preciso onde esse anticorpo se fixa sobre a proteína que envolve o vírus e descobriram que era o mesmo lugar do vírus da dengue.

A descoberta foi "totalmente inesperada", segundo Félix Rey, responsável pelo laboratório de virologia estrutural do Instituto Pasteur, que dirigiu o estudo. De acordo com Juthathip Mongkolsapaya, outro pesquisador, tratam-se dos "primeiros anticorpos muito poderosos" descobertos contra o zika, um vírus considerado por muito tempo como sendo pouco perigoso.

A epidemia que atinge os países da América do Sul, especialmente o Brasil, fez aparecer complicações neurológicas e sobretudo graves anomalias no desenvolvimento cerebral dos fetos de mães infectadas com o zika, como microcefalia fetal. A propagação dos casos levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma "urgência de saúde pública de nível internacional", em fevereiro.

Até o momento, não existe nenhum medicamento contra o zika, ao contrário da dengue, contra a qual existe uma vacina desenvolvida pelo laboratório francês Sanofi.

Com informações da AFP

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.