Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Bebês nascem cada vez mais “pré-poluídos”, diz entidade médica

Bebês nascem cada vez mais “pré-poluídos”, diz entidade médica
 
Recém-nascido em uma maternidade da Coreia do Sul. Gettty Images/Paul Morris

O forte aumento da exposição aos produtos químicos tóxicos durante os quarenta últimos anos ameaça a saúde da reprodução humana, alertou a principal organização internacional de profissionais da saúde reprodutiva, a Figo (Federação Internacional de Ginecologistas e Obstetras). Os especialistas da entidade estão reunidos em Vancouver, Canadá, até sexta-feira (9).

“Estamos inundando o mundo com produtos considerados como inseguros e pagamos caro em termos de saúde reprodutiva", declarou Gian Carlo di Renzo, autor do alerta lançado pela Figo, organização com sede em Londres que reúne especialistas de 125 países.

O documento, publicado na revista International Journal of Gynecology and Obstetrics, culpa produtos químicos como pesticidas, poluentes do ar, plásticos e solventes por condições como abortos espontâneos, transtornos do crescimento fetal, peso reduzido no nascimento, má-formações congênitas, problemas nas funções cognitivas ou do desenvolvimento, câncer do aparelho reprodutor, baixa qualidade do sêmen e hiperatividade das crianças.

Exposição desreguladora

Os autores do relatório chamam atenção sobretudo para os perturbadores endócrinos, ao destacar que um dos efeitos da exposição a essas substâncias é "desregular os hormônios encarregados de regular as funções reprodutivas e de desenvolvimento".

Os perturbadores endócrinos estão presentes em inúmeros produtos como embalagens, pesticidas, cosméticos, revestimentos químicos e produtos de limpeza.
"A exposição a produtos químicos tóxicos é permanente durante a gravidez e a lactação, além de ameaçar a reprodução da espécie humana", afirma a federação em seu comunicado, preconizando "políticas de proteção aos pacientes e às populações".

Produtos orgânicos

Elizabeth Ruffinengo, conselheira legal da ONG Mulheres na Europa por um Futuro Comum (Women in Europe for a Common Future), fala sobre o que pode ser feito a respeito:

“Há dois tipos de atitudes a serem tomadas, defendidas pela Figo. Há a ação individual e a coletiva. A coletiva diz respeito a políticas globais adaptadas, com atenção especial para a prevenção da exposição. Ou seja, reduzir a exposição através da alimentação, através dos produtos de consumo diário. É preciso agir sobre a qualidade do ar exterior e interior, junto a essas grandes políticas públicas, como relativas ao transporte. Há também a ação individual, que também pode ajudar a amenizar o problema. Mesmo antes da gravidez é preciso tomar algumas precauções, como uma alimentação mais saudável, com produtos orgânicos, cultivados localmente, de época. Esses produtos têm menos chances de ter pesticidas, que podem causar doenças que atravessam gerações.”
 


Sobre o mesmo assunto

  • Saúde

    Síndrome Alcoólica Fetal atinge 50 mil bebês por ano no Brasil

    Saiba mais

  • França/ ciência

    Laboratório francês afirma ter feito espermatozoides humanos in vitro

    Saiba mais

  • Saúde/Homem

    Homem que assiste muita televisão tem esperma mais fraco, afirma estudo

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.