Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/06 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/06 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/06 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/06 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/06 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

OMS divulga novas orientações para limitar consumo excessivo de açúcar

OMS divulga novas orientações para limitar consumo excessivo de açúcar
 
OMS divulga novas orientações sobre consumo de açúcar. pixabay

A fama de vilão do doce açúcar só aumenta. Com base em um estudo global, a Organização Mundial da Saúde divulgou diretrizes para um consumo mais saudável do produto. A OMS recomenda que o consumo de açúcar adicionado aos alimentos se limite a 10% da quantidade de calorias necessárias, sendo que o ideal seria por volta de 5%. Os brasileiros, por sua vez, exageram, ingerindo 15% diariamente.

Os 10% recomendados pela OMS equivalem a 50 gramas de açúcar, ou seja, 12 colheres de café. Parece muito? “Se uma pessoa come uma tigela de cereais açucarados pela manhã, uma lata de refrigerante comum e um iogurte açucarado, já superou o limite”, explica Francesco Branca, da OMS.

Açúcar escondido

Carlos Augusto Monteiro, professor titular da Faculdade de Saúde Publica da Universidade de Sao Paulo, faz parte do comitê de especialistas da OMS que propôs as novas recomendações. O principal fator que eleva esse consuma, explica Monteiro, são os alimentos processados, “que trazem o açúcar escondido”.

O consumo elevado de açúcar é uma bola de neve, como explica João Breda, também da OMS. “Mais calorias levam ao aumento de peso, se as pessoas não forem suficientemente ativas, elevando os riscos de obesidade, doenças cardiovasculares e diabetes”.

A nutricionista Juliana Grazini, da consultoria Verakis, explica que o consumo de açúcar em sua casa é bem controlado. “Fruta, por exemplo, tem gosto de fruta, não precisa ter açúcar, nem leite condensado”, diz. As bolachas entram no cardápio apenas uma ou duas vezes ao dia, conta Juliana. “Já bolos, doces e refrigerantes são permitidos só no final de semana”, acrescenta.
 


Sobre o mesmo assunto

  • Linha Direta

    Fome e obesidade, o paradoxo que desafia a FAO

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.