Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • EUA: tiroteio deixa três mortos em supermercado em Oklahoma
Ciências

Asteroide gigante passará muito próximo da Terra nesta segunda-feira

media A passagem do asteroide 2004BL86, de aproximadamente 600 metros de diâmetro, será visível do Hemisfério Norte. Divulgação/Agencia Espacial Brasileira

Um asteroide com mais de 600 metros de diâmetro passará muito perto do planeta Terra nesta segunda-feira (26). Identificado como 2004BL86, o corpo celeste vai passar a cerca de um milhão de quilômetros da órbita terrestre.

Os astrônomos descartam qualquer risco de colisão com a Terra. O 2004BL86, que tem o tamanho de cinco estádios de futebol, passará a 1,2 milhão de quilômetros da órbita terrestre, que equivale a três vezes a distância até a Lua.

Embora pareça imenso, este espaço, para os padrões astronômicos, é considerada “muito próximo”. “Pelo menos nos próximos 200 anos, este fenômeno não se repetirá”, ressalta Don Yeomans, da Agência Espacial norte-americana Nasa.

Yeomans considera que, para os cientistas de todo o mundo, esta é uma oportunidade rara de ver um asteroide tão perto. A Nasa também anunciou que espera recolher imagens inéditas desse corpo celeste que foi descoberto em 2004.

Mesmo para quem não for astrônomo, a passagem do 2004BL86 promete ser interessante. Os habitantes do Hemisfério Norte, especialmente quem mora nos Estados Unidos, na Europa ou no norte da África, poderão acompanhar o fenômeno com binóculos potentes ou até mesmo com pequenos telescópios.

 
O tempo de conexão expirou.