Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/09 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Ciências

Metade dos animais selvagens da Terra desapareceu em 40 anos

media Capa do relatório WWF 2014. www.wwf.fr

A ação do homem provocou, em 40 anos, a destruição de mais da metade dos animais selvagens do planeta. Esse cálculo terrível domina o relatório “Planeta Vivo” 2014, publicado nesta terça-feira (30) pela ONG Fundo Mundial para a Natureza (WWF).

O relatório, realizado a cada dois anos, faz um balanço das consequências da exploração humana para a Terra. O índice “Planeta Vivo”, que mede a evolução da vida selvagem em todo o mundo, constatou que entre 1970 e 2010 houve uma redução de 52% do número de animais. Uma redução muito mais expressiva do que os 28% apontados no relatório anterior, de 2012.

A utilização de uma metodologia mais precisa explica, em parte, essa queda drástica. O relatório 2014 avaliou a evolução de 10.038 espécies de mamíferos, pássaros, répteis e peixes enquanto que o índice de 2012 foi baseado em apenas 2.699 populações de animais.

A principal responsável pela destruição é a ação do homem, denuncia a WWF. “As diferentes espécies vivas são ao mesmo tempo a matriz dos ecossistemas, que garantem as condições para a vida na terra, e o termômetro das consequências da ação do homem no planeta”, escreve o diretor-geral da ONG, Marco Lambertini.

Regiões mais atingidas

A América Latina é a região que apresenta a maior redução de animais selvagens, -83%. Em segundo lugar vem a região Ásia/Pacífico. Em todo o mundo, as espécies de água doce foram as mais destruídas (-76%). As populações de animais terrestres e marinhos diminuíram 39%.

A perda e a degradação dos habitats naturais pela agricultura, urbanização, desmatamento, irrigação e inundação para a construção de barragens, estão entre as principais causas do fenômeno. Na África, por exemplo, o território histórico ocupado pelos elefantes representa hoje apenas 7% do espaço inicial.

Caça e pesca predatórias, assim como as mudanças climáticas, completam a lista dos culpados pela redução da vida selvagem na terra.

Planeta em perigo

O declínio contínuo da vida selvagem não dá nenhum sinal de desaceleração e mostra, mais do que nunca, a necessidade de encontrar soluções duradouras para salvar o planeta, aponta o 10° relatório “Planeta Vivo”. A humanidade consome mais recursos naturais do que o planeta é capaz de produzir.

“Hoje, precisamos da capacidade geradora de uma Terra e meia para suprir nossas necessidades”, lembra o documento da WWF. A superfície disponível para assegurar as necessidades de alimentos, água e ar se reduz a cada ano com a explosão demográfica mundial, alerta a ONG que pede ações combinando desenvolvimento e proteção do meio ambiente para inverter essa tendência.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.