Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/09 09h57 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Ciências

Cientistas comemoram fortes indícios da existência do bóson de Higgs

media Cientistas anunciam durante seminário para a comunidade científica, em Meyrin, Suíça, novidades na pesquisa da famosa partícula conhecida como 'bóson de Higgs', que poderia ajudar a compreender melhor o Big Bang e a formação do universo. REUTERS/Denis Balibouse

O Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN), situado na fronteira entre a França e a Suíça, anunciou nesta quarta-feira a descoberta de uma nova partícula, que pode ser o procurado bóson de Higgs, etapa essencial para a compreensão do universo.

Também chamada de 'partícula de Deus', ela teria surgido com o Big Bang da criação do universo, há cerca de 13,7 bilhões de anos. Cientistas do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear e de outros laboratórios do mundo trabalham há quase 50 anos em busca dessa partícula considerada essencial para entender a formação do universo. Antes, a ciência acreditava que o átomo era a unidade indivisível da matéria. Depois descobriu-se que o átomo é na verdade uma interação de partículas ainda mais fundamentais. O bóson de Higgs seria um agregador de elétrons e prótons, que explicaria como as outras partículas ganham massa.

Colisão entre prótons produzida por acelerador gera partículas (em vermelho) com características muito próximas ao célebre 'Boson de Higgs'. CERN

Essa é a última peça que falta no modelo padrão da física, a teoria que descreve as partículas elementares. O nome vem do cientista escocês Peter Higgs, que lançou a teoria da partícula que dá massa à matéria em um artigo publicado em 1964, junto com os colegas Robert Brout (morto no ano passado) e François Englert.

‘Eu não espera ver esse momento ainda em vida e vou pedir à minha família para colocar a champanha para gelar’, declarou Higgs, 83 anos, presente em Genebra, junto com Englert.

O diretor do CERN, Rolf Heuer, declarou que a nova descoberta é compatível com a teoria do bóson de Higgs, que exigirá estudos mais aprofundados. Mas, sem dúvida, acrescenta Heuer, a comunidade científica venceu uma nova etapa na compreensão do universo. A nova partícula poderá desvendar outros mistérios da física.

 
O tempo de conexão expirou.