Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira
 
O pesquisador Antonio Dimas. RFI

Um grupo de pesquisadores brasileiros, sob impulso de Antonio Dimas, pesquisador sênior do Instituto de Estudos Brasileiros da USP, articula a criação de uma rede internacional para identificar e divulgar os acervos existentes no exterior sobre a cultura brasileira.

O tema foi abordado durante um painel durante o 2° Congresso da Associação de Brasilianistas na Europa (ABRE), que acontece em Paris. O evento reuniu os pesquisadores Leopoldo Bernucci, da Universidade California at Davis, Paulo Batista, da Universidade de Évora, Simona Binková, da Universidade Carolina, de Praga, Claudia Poncioni, da Universidade Sorbonne-Nouvelle, de Paris, e Antonio Dimas, que também atuou como moderador do painel.

“Somos pesquisadores e profissionais da cultura brasileira, seja ligada à História, Antropologia, Política, Literatura, ou Fotografia, entre outras áreas. Cada um está acostumado a trabalhar em seus países com arquivos de material brasileiro, resultado de viagens de intelectuais, viajantes e outros, que levaram uma documentação que está guardada na França, Inglaterra, Estados Unidos, Itália e muitos outros países ”, explica Dimas em entrevista à RFI.

Ainda em estágio embrionário, a proposta inclui a criação de uma rede para informar sobre a variedade de acervos mantidos no exterior de relevância histórica e documental, que se encontram dispersos em universidades ou instituições para-acadêmicas.

O projeto, segundo Dimas, surgiu de sua experiência pessoal com uma pesquisa na Universidade Texas-Austin. Ao se debruçar sobre o arquivo do americano Alfred Knopf, que publicou diversos autores brasileiros nos Estados Unidos, ele descobriu uma série de relatos, trocas de correspondências e contratos que revelam os bastidores das negociações entre a editora e muitos escritores brasileiros como Jorge Amado, Gilberto Freyre, Antonio Cândido, entre outros. Pouco conhecido, esse acervo, se melhor divulgado, poderá servir para futuras investigações.

“Existe uma ambição. A proposta ainda está em fase germinal, mas já deu resultados concretos”, diz Dimas, em referência à ampliação dos contatos e dos interessados em formalizar rede de informação.  

A ideia de constituir uma rede para dar visibilidade ao que chama de “tesouros escondidos”, foi lançada há três anos em um evento reunindo pesquisadores e brasilianistas da Brown Universidade , nos Estados Unidos. O Congresso da ABRE, em Paris, permitiu ampliar um pouco mais a extensão dessa rede. No painel, pesquisadores revelaram acervos na Europa e nos Estados Unidos relevantes para pesquisas.  

Na República Tcheca, por exemplo, Simona Binková, da Universidade Carolina, mostrou documentos iconográficos da cartografia do Brasil nos séculos 17 e 18 e a participação dos naturalistas botânicos tchecos em uma expedição científica ao Brasil em 1817.

Nos Estados Unidos, Leopoldo Bernucci, da Universidade California at Davis, apresentou as coleções de John Casper Branner, com manuscritos e mapas de estudos do Brasil no final do século 19, e de Ludwig Lauerhass, cujo acervo de 4 mil itens reúne documentos importantes sobre a história, antropologia e sociologia brasileiras do século 20.  

Acervos mais acessíveis

Apesar de ter origem no meio acadêmico, Antonio Dimas diz que a intenção da rede é ser acessível aos alunos e pesquisadores, mas futuramente ser aberto a outros profissionais. “ Sabemos que o jornalismo tem muito interesse na história. Vamos criando um público devagar. A marca desse trabalho não é a pressa. Começamos com literatura, mas abrimos para outras áreas como sociologia, história e até a fotografia. Futuramente, queremos trabalhar também com arquivos de universidades e instituições, mas não com arquivos governamentais. Por enquanto não, mas pode ser mais tarde”, conclui.


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil

    Brasilianistas denunciam situação do ensino no Brasil durante congresso em Paris

    Saiba mais

  • Brasil

    Incêndio no Museu da Língua Portuguesa: acervo poderá ser reconstituído

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    "Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano

    Saiba mais

  • Reportagem

    Arquivo Público de São Paulo disponibiliza documentos da ditadura na internet

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.