Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

ONU propõe reunião sobre Amazônia durante sua Assembleia Geral em setembro

media O secretário geral da ONU, Antonio Guterres, em agosto de 2019. REUTERS/Brendan McDermid

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, levantou nesta quinta-feira (29) a possibilidade de organizar à margem da Assembleia Geral da ONU em setembro uma reunião específica ao lado sobre a situação na Amazônia, onde os incêndios se multiplicam.

"A situação na Amazônia é obviamente muito séria", disse Guterres em declarações à imprensa à margem de uma conferência sobre o desenvolvimento da África, organizada em Yokohama (Japão).

Mais de 1.040 incêndios foram detectados na terça-feira no Brasil pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

No total, houve cerca de 80.000 incêndios desde o início do ano, metade deles na floresta amazônica, o que representa o número mais alto desde 2013.

"Pedimos veementemente que os recursos sejam alocados e contatamos os países para ver se poderia haver uma reunião dedicada à ajuda à Amazônia durante a Assembleia Geral", que será realizada de 20 a 23 de setembro em Nova York, disse Guterres.

Na terça-feira, o Brasil mostrou-se aberto para a aceitar ajuda externa para combater incêndios na floresta amazônica com a condição de administrar esses fundos, tendo rejeitado o auxílio oferecido pelos países do G7 na segunda-feira.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro assinou um decreto na quarta-feira proibindo queimadas em todo o Brasil por 60 dias, em reação à pressão internacional.

"Eu acho que a comunidade internacional deve se mobilizar fortemente para apoiar os países da Amazônia com o objetivo de acabar com os incêndios o mais rápido possível e com todos os meios possíveis, e então executar uma política completa de reflorestamento", acrescentou o secretário-geral das Nações Unidas.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.