Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

Por
“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno
 
Regis Myrupu é o protagonista do filme "A Febre", de Maya Da-Rin Locarno Film Festival/Massimo Pedrazzini

Regis Myrupu é o ator principal do filme “A Febre”, de Maya Da-Rin, que participa da competição de longas no Festival Internacional de cinema de Locarno, na Suíça. Índio desano da região amazônica, ele se orgulha de apresentar sua cultura para o mundo e chama a atenção para as ameaças atuais visando os povos indígenas no Brasil.

Rui Martins, correspondente da RFI na Suíça, de Locarno

O filme A Febre, que concorre ao Leopardo de Ouro no Festival de Locarno, conta a história de duas gerações de índios, representados por um pai e uma filha que vivem em Manaus. Regis Myrupu, que estreia nas telonas, é o protagonista da trama, interpretada no idioma tucano e legendada. “Aceitei porque gosto de coisas novas e positivas”, conta o ator, que também preside uma associação indígena.

O filme é apresentado em um momento em que a comunidade internacional se questiona, cada vez mais, sobre a situação dos nativos brasileiros, ameaçados pelas reformas assinaladas por Brasília. Myrupu aproveitou a presença em Locarno para expressar sua preocupação com o contexto atual.

“Nosso governo está sendo muito cruel com os povos indígenas” resume o protagonista do filme. “Ele acha que matar e eliminar seria a solução para a futura humanidade e sua melhoria de vida. Mas não é assim. Eliminando nossos povos, ele elimina indígenas, não-indígenas, a natureza em geral e o próprio planeta. Não haverá mais o passado, nem o presente, nem o futuro. Precisamos agir logo. Nós somos uma barreira protetora da vida na natureza”, alerta.

Myrupu também contesta a ideia dos que pretendem “civilizar” os índios. “Os indígenas não querem ser domesticados porque não são animais”, rebate. “Eles nasceram no meio da floresta, onde a natureza é completamente limpa e não aceitam ser civilizados. Os indígenas são seres humanos igual a ele”, disse, em referência o presidente Jair Bolsonaro.

(Para ouvir a entrevista completa, clique na foto acima)


Sobre o mesmo assunto

  • Jornal francês descreve Bolsonaro como “pior inimigo dos índios”

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Valorizar população indígena é o caminho para a preservação da Amazônia, diz historiador americano

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.