Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Filme do brasileiro Karim Aïnouz é vencedor da mostra Um Certo Olhar em Cannes

media O filme "A Vida Invisível de Eurídice Gusmão" conta a história de duas irmãs separadas pelo destino e pelo conservadorismo ©Bruno Machado

O filme brasileiro “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” ganhou a competição Un Certain Regard (Um Certo Olhar), uma das mais importantes do Festival de Cannes após a Palma de Ouro. A trama agradou o público com a história de duas irmãs filmadas em um Brasil conservador como pano de fundo.

Enviado especial a Cannes

Inspirado no livro homônimo de Martha Batalha, o filme era o único brasileiro da seleção oficial Um Certo Olhar, que conta com 18 participantes. A exibição havia sido muito aplaudida na sessão de gala, mas também nas projeções especiais para a imprensa.

O filme, apresentado no exterior como um melodrama tropical, conta a história das irmãs Guida e Eurídice, jovens filhas de portugueses no Rio de Janeiro dos anos 1950. O destino as separa logo no início da trama e o diretor mostra como essas duas vidas tão ligadas avançam paralelamente.

As personagens principais, interpretadas por Júlia Stockler e Carol Duarte, sofrem durante toda a história da opressão masculina, seja por parte dos pais, dos maridos ou dos colegas de trabalho. “Tem sempre uma dimensão política”, disse Aïnouz em entrevista exclusiva à RFI. “No caso desse filme, meu sonho é que ele consiga falar do patriarcado e o quão tóxico ele pode ser”, continua.

O diretor foi revelado para o mundo no Festival de Cannes, quando apresentou “Madame Satã”, em 2002. Desde então, segue uma carreira de sucesso dentro e fora do Brasil. Seu documentário anterior, "Zentralflughafen THF" (Aeroporto Central THF, em tradução livre), que contava a vida de refugiados acolhidos em um aeroporto de Berlim, chegou a ganhar um prêmio especial na Berlinale em 2018.

Esse ano é particularmente rico para o cinema brasileiro em Cannes. Entre produções e coproduções, o país participa com sete projeto no festival da Riviera Francesa.

Assista a entrevista feita com o diretor.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.