Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Eduardo Bolsonaro se encontra com Salvini em giro pela extrema direita europeia

media Eduardo Bolsonaro, Matteo Salvini e Roberto Lorenzato falam em uma live transmitida nas redes sociais pelo primeiro. Milão, Itália, 19 de abril de 2019. Reprodução Youtube

Em viagem na Europa para encontrar líderes de partidos de extrema direita, nesta sexta-feira (19) o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) reuniu-se com o vice-premiê e ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, na sede do Consulado Geral do Brasil em Milão.

Gina Marques, correspondente da RFI em Roma

Participou do encontro, transmitido ao vivo no Facebook, o deputado ítalo-brasileiro Roberto Lorenzato, do partido da Liga, ultranacionalista, que também se improvisou como tradutor.

Durante a transmissão, que durou quase sete minutos, eles falaram da expansão do populismo de direita no mundo, das políticas liberais e dos valores conservadores, do caso de Cesare Battisti, extraditado em janeiro passado do Brasil para a Itália, do porte de armas para legítima defesa recentemente aprovado na Itália, das eleições para o Parlamento Europeu, que vão acontecer em maio, e da restrição aos imigrantes.

Salvini agradeceu pela extradição de Battisti e comentou a lei que permite a legítima defesa de quem tiver sua casa ou local de trabalho invadido, sem falar em armas.

Brasileiros descendentes de italianos

Ao falar da imigração, Eduardo Bolsonaro cometeu uma gafe ao confundir jus sanguinis com jus soli. Jus sanguinis é um termo em latim que significa “direito de sangue” e garante ao indivíduo a cidadania de um país por meio de sua ascendência. Enquanto jus soli, do latim “direito de solo”, dá ao indivíduo o direito à nacionalidade do lugar onde nasceu.

Na Itália prevalece o direito de cidadania só por parentesco (jus sanguinis) uma politica defendida pela Liga. A lei italiana estabelece que um filho de um estrangeiro que nasce no país só pode obter a cidadania após completar 18 anos.

Eduardo Bolsonaro disse que apoia as políticas restritivas contra a imigração, que o primeiro-ministro Viktor Orbàn aplica também na Hungria, e perguntou a Salvini:
“O que os brasileiros podem esperar da dupla cidadania? Já que tem uma comunidade em torno de 30 milhões de brasileiros descendentes de italianos.
Não que eles desejam ter esta cidadania, mas eles se sentem um pouco italianos. Então o que o brasileiro pode esperar desta questão do jus sanguinis? Vocês são a favor somente do jus soli, ou concordam que o jus sanguinis é uma maneira de reconhecimento da nacionalidade italiana?”

Percebendo a confusão do termo, o deputado Roberto Lorenzato corrigiu na tradução.

Ao responder, Salvini ressaltou que os únicos imigrantes que interessam são os descendentes de italianos no mundo, citando especificamente brasileiros, argentinos e europeus.

“Esquerda apavorada”

Lorenzato aplaudiu dizendo que é uma grande notícia. Salvini e Lorenzato aproveitaram a transmissão na internet para fazer campanha para as eleições europeias em maio.

“Salvini conta com todos vocês no Brasil. A italianada que ligue para os seus parentes na Itália para votar na Liga”, exclamou Lorenzato.

Ainda sobre as eleições, Salvini disse que “a esquerda vai ficar apavorada” quando saírem os resultados.

Antes de se reunir com Salvini, Eduardo Bolsonaro, nesta sexta-feira, encontrou-se também com Alberto Torregiani, que teve o pai assassinado por Cesare Battisti e que se tornou paraplégico no atentado. Ontem, o deputado do PSL visitou a Hungria de Viktor Orbán.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.