Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/05 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Projeto "Brasil em Concerto" divulga música clássica brasileira pelo mundo

Projeto
 
Gustavo de Sá, chefe da divisão de ações culturais do Departamento Cultural do Itamaraty V. Oswald

Em um mundo hiperconectado, onde todos parecem já ter visto tudo, abre-se uma janela e tanto para a música clássica brasileira. Pouco conhecidas dentro e fora do Brasil, obras que fujam daquela lista de compositores que se contam nos dedos da mão raramente têm lugar nos grandes concertos internacionais. 

Vivian Oswald, correspondente da RFI em Londres

A boa notícia é que existe uma tendência mundial de músicos que querem ampliar o seu repertório com obras esquecidas pelo tempo, ou simplesmente desconhecidas. Vão atrás de partituras empoeiradas nas bibliotecas públicas ou das famílias dos próprios compositores.

No Brasil, existe uma imensa quantidade de obras que jamais foram gravadas ou sequer editadas. É aí que se encaixa o projeto "Brasil em Concerto", do Ministério das Relações Exteriores.

Trata-se da recuperação e edição de partituras, bem como, em um primeiro momento, da gravação das obras de doze compositores eruditos brasileiros pela orquestra sinfônica de São Paulo (Osesp) e as Filarmônicas de Minas Gerais e de Goiás. 

Segundo o chefe da divisão de ações culturais do Departamento Cultural do Itamaraty, Gustavo de Sá, o projeto, que deverá custar entre R$ 700 mil e R$ 1 milhão, será integralmente custeado com recursos do ministério. Não chega a ser um valor muito elevado dada a ousadia do programa, o período do desembolso e a quantidade de recursos humanos que estão sendo mobilizados pela iniciativa.

Mais de 100 obras sinfônicas, algumas inéditas, vão virar CD até 2023. E até lá, muitas delas serão tocadas em salas de concertos no Brasil e no exterior. A ideia é dar visibilidade à escola brasileira de composição e colocá-la no merecido lugar da história da música internacional.

"É um repertório enorme que precisa ser conhecido pela qualidade e até para dar a dimensão da obra desses compositores. A gente preferiu recorrer à música sinfônica, porque é um campo de destaque dos compositores brasileiros e porque é um gênero que apresenta melhor a música para o público que não conhece", disse de Sá.

Seleção musical

A seleção foi feita pelo Departamento Cultural do Itamaraty, com participação da direção artística das orquestras. Os compositores são Alberto Nepomuceno, Carlos Gomes, Heitor Villa-Lobos, Henrique Oswald, Francisco Mignone, Lorenzo Fernandez, Claudio Santoro, Camargo Guarnieri, Guerra-Peixe, José Siqueira, Edino Krieger e Almeida Prado.

"A gente selecionou obras importantes do repertório. Algumas mais conhecidas, outras não. Mas de compositores relevantes e obras que precisavam de um registro", explicou.

A série de 30 CDs está sendo lançada pela Naxos, a maior gravadora de música clássica do mundo. O primeiro, de Nepomuceno, já está no mercado e disponível no Spotify. A ideia é que essas gravações se tornem referências musicais para maestros, concertistas e instrumentistas.

"Tem muita coisa que deixou de ser tocada porque não tem referência. Algumas das obras que estão sedo gravadas foram tocadas apenas uma vez, tem coisas que vão ser estreadas para este projeto. Das 14 sinfonias de Santoro, por exemplo, duas até hoje, não foram estreadas vão ser editadas e gravadas no contexto deste projeto pela primeira vez".

Falta de partituras

Uma das grandes dificuldades para se promover o repertório brasileiro é a falta de partituras para que as obras sejam tocadas. E as sinfônicas são grandes calhamaços caros, que muitas orquestras preferem não comprar. Tampouco têm onde guardar. Na maioria das vezes, são alugadas. 

Desde 2017, em um convênio com a Academia Brasileira de Música, o Itamaraty tem se encarregado de pagar o aluguel e fazer chegarem as partituras aos músicos. E isso, segundo de Sá, estimula a circulação dos nomes dos compositores brasileiros mundo afora.

Almeida Prado em Londres

Essa semana, foi a vez de Londres, onde a pianista brasileira Sonia Rubinski, baseada em Paris, tocou obras de Almeida Prado em um pequeno concerto na embaixada brasileira. Durante a tarde, ela gravou o seu CD com as peças do compositor e amigo de longa data.

De acordo com a pianista, o Almeida Prado, por um lado, era muito conhecido na Europa. Estudou na Europa, foi um aluno de Nadia Boulanger e Olivier Messiaen. Segundo ela, as 170 cartas que ele escreveu para Nadia Boulanger, no acervo dela na Bibliotèque National, em Paris, é o acervo de missivas mais importante dela. Era conhecido na Suíça. Foi para os Estados Unidos, onde passou um período, antes de voltar para o Brasil nos anos 70.

"Mas a obra dele está, espero, começando a ser entendida. Existe isso nos compositores. A visão dele era muito de futuro. Existe um lado espiritual muito forte na música dele. Fica difícil explicar, é cedo para explicar [o motivo]. O que posso dizer é que estou extremamente feliz de poder participar e ser um canal para trazer a música dele para a realidade", conta Sonia.

O que se espera é que, a partir de agora, ele, os outros 11 compositores do "Brasil em Concerto", e novos nomes a serem incluídos em uma segunda fase do projeto, conquistem os amantes da música pelo mundo e os palcos internacionais.


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    Música clássica é vista como “caretice” no Brasil, lamenta compositor

    Saiba mais

  • Brasil / França / Música

    Orquestra jovem da Bahia encanta franceses nos Alpes

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Criação de música erudita no Brasil está cada vez mais próxima da Europa, diz Maury Buchala

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.