Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/05 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

"Brasil não vai assinar nenhum acordo climático na próxima COP 25", anuncia Bolsonaro no Chile

media Coletiva de imprensa dos presidentes brasileiro, Jair Bolsonaro, e chileno, Sebastián Piñera, neste sábado, 23 de março de 2019, em Santiago do Chile. CLAUDIO REYES / AFP

Após reunir-se com o presidente chileno, Sebastián Piñera, no Palacio La Moneda, Jair Bolsonaro anunciou neste sábado (23) que o Brasil não pode comprometer-se a atingir metas climáticas impossíveis porque precisa também preocupar-se com o seu desenvolvimento. Durante a coletiva à imprensa, ele antecipou que uma delegação brasileira vai participar da próxima COP 25, que acontece no Chile, mas que “o Brasil não vai assinar nenhum acordo” no evento.

Márcio Resende, enviado especial da RFI a Santiago

Jair Bolsonaro não confirmou a participação dele no evento. "Caso for possível, estarei presente, mas estarei muito bem representado pelo nosso ministro do Meio-ambiente". De qualquer maneira, o presidente antecipou que não vai assinar nenhum acordo com objetivos inatingíveis para o Brasil, que deve se preocupar com o seu desenvolvimento. "O Brasil não está fora da COP 25, mas, por uma questão que preocupa a todos que têm conhecimento sobre o país e que hão de concordar comigo, nós não podemos assinar um acordo onde alguns objetivos são impossíveis de serem atingidos", avisou Bolsonaro.

O presidente brasileiro afirmou que, apesar disso, o Brasil não pode ser acusado pela comunidade internacional de não preservar o meio ambiente. "Afinal de contas, o Brasil nada deve para o mundo no tocante à preservação do meio ambiente, se forem levadas em conta as nossas áreas e as áreas deles (dos países desenvolvidos). Temos essa preocupação (com o meio ambiente), mas, juntamente com ela, temos a preocupação com o desenvolvimento", contrabalançou.

“Perda de soberania”

Bolsonaro disse que o Brasil vai comparecer “com muita satisfação” na COP 25 no Chile e que, com toda a certeza, todos ganharão com essa “participação brasileira". Ele agradeceu ao presidente chileno por abrigar a conferência depois que o Brasil abdicou de sediar o evento. "Quero agradecer a vossa excelência por ter abraçado a COP 25 em seu país", disse.

Para Bolsonaro, os acordos climáticos podem significar perda de soberania. "Minha grande preocupação é a região amazônica. Ela não pode continuar correndo o risco de ser internacionalizada. É um patriotismo da nossa parte. É uma preocupação, sim, de mantermos aquela área sob o nosso domínio", salientou, desconfiado, Bolsonaro.

O Chile foi escolhido para sediar a próxima reunião da ONU sobre alterações climáticas depois que Jair Bolsonaro, em novembro, como presidente eleito, abdicou da candidatura brasileira. A conferência tem como objetivo determinar como serão implementados os compromissos que foram adotados em 2015 no Acordo Climático de Paris, do qual, durante a campanha eleitoral, Bolsonaro ameaçou retirar o Brasil.

A coletiva à imprensa dos dois presidentes ocorreu após um encontro de trabalho no Palácio de La Moneda. Antes de voltar a Brasília, Bolsonaro participou de um almoço ofercido por Sebastián Piñera. Pela manhã, ele se encontrou com empresários chilenos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.