Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro
 
A escritora Telma Brites RFI

O romance "Gaia: A Roda da Vida", da escritora brasileira Telma Brites Alves, traz uma narrativa entre o suspense e a fantasia. A autora passou por Paris para o lançamento de sua obra e falou com a RFI sobre o enredo que envolve mitologia e descobertas da adolescência.

“Eu chamo de fantasia romanceada. É um romance que tem como pano de fundo a mitologia grega, que é o lado ‘fantasiado’, mas o resto é um romance normal”, explica Telma Brites Alves. “É a história de uma jovem de 16 anos que perdeu a mãe com 6 anos de idade e, depois, também o pai. Após a morte do pai, foi enviada diretamente à Alemanha, para viver sob a tutela da tia.”

Ao chegar na casa de sua nova responsável, a protagonista de “Gaia” vai, de acordo com a autora, “viver uma história mirabolante”. “Ela vai se encontrar com o personagem principal de uma história fantástica, que seria uma profecia. (…) Teoricamente, ela é descendente de um personagem mitológico”, revela Telma Brites Alves. “O resto é só lendo para saber.”

“Viver é como escrever”

A história de "Gaia" será dividida em três livros, que Telma Brites Alves pretende publicar em Paris. “O segundo já foi lançado na bienal de São Paulo, no ano passado. O terceiro eu espero terminar para ser lançado no Rio de Janeiro”, diz. No último volume, a heroína aceitará finalmente sua “profecia” e será “puxada” para um mundo mitológico.

Na entrevista à RFI, a escritora também abordou seu processo criativo. “Viver é também escrever, as duas coisas para mim se fundem. Eu vivo intensamente e ainda mais intensamente a partir do momento que escrevo”, conta. Foi assim que ela acabou se inspirando para a história de sua trilogia durante uma viagem a Creta, na Grécia.

“No último dia, estava super triste de voltar para a Alemanha, estava numa montanha meditando. Quando terminei, vi um rochedo, e parecia um gigante deitado com as mãos sobre a barriga. Quando vi aqui, pensei ‘É o gigante adormecido’”, revela. Assim nasceu a ideia para a personagem Gaia, cujo sobrenome, em alemão, quer dizer “A pedra de Deus”.

Veja abaixo a entrevista completa:

 


Sobre o mesmo assunto

  • Literatura/Brasil

    Brasil celebra literatura feminina no Salão do Livro de Paris

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “Minha literatura contribui para quebrar o mito da democracia racial brasileira”, diz Conceição Evaristo

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Izabella Borges: "existe uma lenda que literatura brasileira não vende na França"

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.