Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

"A História do Brasil não vai parar com Bolsonaro", diz FHC ao jornal Le Monde

media Em Paris, Fernando Henrique Cardoso concedeu uma entrevista ao jornal Le Monde. Reprodução/Le Monde

Em entrevista de página inteira publicada no jornal Le Monde que chegou às bancas neste sábado (2), o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso analisa a chegada à presidência do líder da extrema-direita brasileira, Jair Bolsonaro. Para ele, a eleição do pesselista representa um risco para a democracia, mas acredita que as instituições saberão reagir.

FHC, de 87 anos, foi convidado a participar de um evento na Casa da América Latina, em Paris em 14 de janeiro, quando foi entrevistado pelos jornalistas do Le Monde Nicolas Bourcier e Angeline Montoya. Ao jornal, ele explicou porque não revelou em quem votaria no segundo turno da eleição no Brasil, em outubro de 2018.

"Votei em branco no segundo turno. Eu conheço Fernando Haddad e o respeito. Mas há um problema: Haddad sempre foi um homem de Lula, nunca foi ele mesmo. Não estou de acordo com esse partido, com o que propõem seus dirigentes, sua visão da economia e essa corrupção que, de certa maneira, eles deixaram acontecer", afirma.

Por outro lado, o sociólogo diz que não acredita que Bolsonaro conseguirá colocar em prática o que prometeu. "Há riscos para a democracia, não os nego. Mas, até agora, os limites funcionaram, a liberdade ainda existe, os sindicatos estão lá, a imprensa segue livre", afirma.

Saturação do sistema político

Questionado sobre como o Brasil elegeu um líder como Bolsonaro, descrito por Le Monde como "célebre por suas afirmações degradantes, racistas e homofóbicas", FHC aponta a saturação do sistema político do Brasil, devido à corrupção e à insatisfação geral da população. "A sociedade despreza a vida política; essa falta de confiança se refoça devido à crise econômica, ao desemprego e à violência que aumentou em proporções inimagináveis, ao ponto de assistirmos - e isso é novo - à formação de cartéis no Brasil", avalia. 

Outro fator apontado pelo ex-presidente é a ausência de uma oposição. "Ela foi associada ao velho sistema político corrupto. Ela se fragmentou, se desmoralizou, se destruiu. Bolsonaro foi visto como um homem político diferente, quando, na verdade, ele faz parte do sistema", salienta.

O ex-presidente reconhece a dificuldade que teve ao tentar criar uma força política no país durante eleições, segundo ele, devido "ao ódio, que teve um papel importante na campanha". Além disso, FHC diz ter percebido um sentimento particular entre os brasileiros: "o medo do desconhecido, do futuro, o medo de Lula também". 

Incerteza e urgência

Por outro lado, Fernando Henrique Cardoso não acredita que Bolsonaro seja um representante da extrema-direita. "O governo Bolsonaro é composto por um grupo que eu qualificaria de 'liberal', por um outro que eu diria 'reacionário' e por um terceiro totalmente fora da realidade. Quem vai tomar a frente? Eu não sei", reitera.

O ex-presidente finaliza a entrevista avaliando que há uma urgência em termos políticos no Brasil, mas acredita que é necessário ser paciente. "A História não para, e ela não para com Bolsonaro. É preciso acreditar neste país, em seu povo, crer na prosperidade e em uma renovação", afirma.

No entanto, FHC não esconde que o Brasil está vive uma época complexa. "Perdemos as eleições. Uma introspecção é necessária, os partidos devem efetuar um inventário. Na política, há frequentemente maus momentos: estamos em um deles. A tempestade está aqui", conclui.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.