Ouvir Baixar Podcast
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/10 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

"Descuido, negligência e impunidade": imprensa francesa repercute tragédia de Brumadinho

media Os principais jornais franceses repercutem a tragédia de Brumadinho. Reprodução RFI

Os principais jornais franceses desta segunda-feira (28) repercutem a tragédia de Brumadinho (MG). O número de mortos após o rompimento da barragem da mineradora Vale subiu para 58, enquanto 305 pessoas seguem desaparecidas.

"O Brasil é atingido por uma nova tragédia" é a manchete do jornal Le Figaro. O correspondente do diário no Rio de Janeiro lembra o drama de Mariana, em 2015, "que deixou cerca de 300 mortos e desaparecidos e provocou graves danos ao meio ambiente". "As palavras para descrever as catástrofes no Brasil são sempre as mesmas: descuido, negligência e impunidade", escreve o jornalista.

O jornal Les Echos destaca que o diretor da Vale, Fernando Schvarstman, reconheceu a gravidade do acidente, mas afirma que, desde 2015, a empresa redobrou a atenção e modernizou a estabilidade de seus sistemas. A barragem de Brumadinho não era considerada de alto risco pelas autoridades e havia sido inspecionada recentemente, segundo Schvarstman.

Entretanto, no ano passado, a Vale teria obtido rapidamente uma autorização por parte de responsáveis locais para intensificar as atividades do complexo do qual Brumadinho faz parte. "Apenas 3% das 25 mil barragens do Brasil foram inspecionadas em 2017", salienta o Les Echos.

Não é à toa que, após a tragédia de sexta-feira (25), a população teme que o drama se acentue, publica o jornal Libération. "Na manhã de domingo, a Vale alertou os moradores sobre a possível ruptura de uma outra barragem do local. As equipes de resgate tiveram que interromper as buscas, antes que o risco voltasse a ser descartado", publica Libération.

Quanto ao impacto sobre o meio ambiente e a saúde dos habitantes, os danos são ainda difíceis de medir, reitera o diário, lembrando a alta toxicidade da lama que invadiu a região. Para piorar, há ainda a possibilidade de que o rio São Francisco, que nasce em Minas Gerais e se estende até o Nordeste, seja contaminado.

"Até quando?"

"Desolação e revolta no Brasil", diz o jornal La Croix, que ouviu moradores de Brumadinho, muitos deles desesperados com o desaparecimento de familiares. "Até quando?", se pergunta uma mulher que perdeu o marido e a filha na tragédia, entrevistada pelo diário.

La Croix lembra que três anos após Mariana, nenhum responsável foi condenado, a indenização das vítimas acontece lentamente e o processo ainda corre na Justiça. O diário salienta que o presidente Jair Bolsonaro sobrevoou a região de Brumadinho no sábado e afirmou que "a questão da Vale do Rio Doce não tem nada a ver com o governo federal". "Uma declaração criticada, quando uma resposta das autoridades a essas catástrofes humanas e ambientais é reclamada no país", conclui La Croix.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.