Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

MC Melody: por que a hipersexualização atinge mais as crianças brasileiras que as francesas?

media A estrela-mirim MC Melody tem 11 anos. Reprodução Instagram

A polêmica erotização da cantora MC Melody, de apenas 11 anos, não chegou a repercutir na França, mas chocou a comunidade brasileira que vive no país. Diferentemente do Brasil, a hipersexualização das crianças francesas vem sendo combatida com a adoção de leis que protegem os menores.

No Brasil, o fenômeno da hipersexualização das crianças existe há décadas. Televisão, concursos de beleza e talento e, nos últimos anos, as redes sociais, contribuem para a normatização das mini celebridades que, cada vez mais, se comportam como adultos.

A França não tem uma estrela-mirim como a MC Melody, mas os raros casos envolvendo a erotização de crianças terminaram com debates intensos na sociedade e a criação de leis para combater o problema.

Foi o caso da revista Vogue que, em 2010, publicou um editorial de moda mostrando meninas de cerca de seis anos vestidas, maquiadas e penteadas como adultas. A polêmica resultou em uma forte mobilização da sociedade e de ONGs de proteção a crianças e personalidades políticas. A legislação francesa foi reforçada e passou a proibir “a difusão de imagens hipersexualizadas de crianças, meninas e meninos, especialmente em um cenário erótico ou utilizando roupas, acessórios ou maquiagem de conotação erótica”.

Em 2013, os concursos de “mini miss” também foram proibidos na França. Uma emenda, da autoria da deputada centrista Chantal Jouanno, prevê dois anos de prisão e mais de € 30 mil de multa a organizadores de competições de beleza envolvendo menores de 16 anos.

Editorial de moda da Vogue provocou forte polêmica na França. D.R

“A França protege melhor suas crianças”

Para a publicitária Maria Cecília, brasileira radicada em Paris e mãe de uma menina de dois anos e meio, não há dúvidas: “a França protege melhor suas crianças e as respeita, desde pequenas, como indivíduos”. “Aqui uma criança não é criada para virar uma mulher bonita ou um homem ‘pegador’. Percebo que as pessoas estão preocupadas em educar seus filhos para serem cidadãos”, diz.

Além disso, Maria Cecília nota que o apelo ao corpo e ao sexo é menor na França e isso acaba se refletindo no comportamento dos pequenos. “Vejo que aqui as crianças se vestem de forma muito mais natural que no Brasil, onde, às vezes, as meninas parecem bonecas ou princesas. Por exemplo, a minha filha não tem as orelhas furadas porque eu e meu marido achamos que ela não precisa disso para viver: quando ela crescer vai decidir se quer ou não usar brincos. Além disso, aqui, por uma questão de segurança, as creches e escolas proíbem o uso de acessórios pelas crianças”, conta.

Por isso, a publicitária acredita que na França a hipersexualização infantil não é um fenômeno que preocupe os pais mais do que outras questões, como a pedofilia, por exemplo. Por outro lado, percebe que o intenso debate no Brasil vem ajudando na conscientização sobre a importância de combater a erotização das crianças. “As mães e pais brasileiros da minha geração estão discutindo esse assunto de forma muito genuína e com o objetivo de educar seus filhos a viverem a infância. Apesar de termos essa questão da sexualização muito forte na cultura brasileira, a preocupação em evitar que ela atinja as crianças já é uma realidade”, ressalta.

Eleição de Mini-Miss em outubro de 2013 Election-Mini-Miss-France

“No Brasil, as meninas se vestem como adultas”

A assistente maternal Ana Paula, brasileira radicada em Perpignan, no sul da França, mãe de uma adolescente de 13 anos e um menino de 5, acredita que as diferenças culturais são determinantes nas formas como as crianças brasileiras e francesas se comportam.

“No Brasil, as meninas se vestem praticamente como adultas. Na França, normalmente já cobrimos mais o corpo porque faz frio. Mas, além disso, os pais prestam muita atenção nas roupas e acessórios das crianças. Minha filha de 13 anos, por exemplo, está batalhando conosco para poder usar um batom mais colorido, porque aqui é raro mesmo vermos crianças desta idade maquiadas”, nota.

Ana Paula observa, por exemplo, que na França não existem estrelas-mirins com o mesmo apelo midiático que no Brasil. As raras adolescentes que ganham um pouco mais de destaque fazem sucesso nas redes sociais ou ganham notoriedade em canais no YouTube, como as cantoras Satine Wallé, de 14 anos, e LOU, de 15 anos.

“A minha filha é muito fã da Satine que, além de cantar, também compõe as músicas com a ajuda de seus seguidores no YouTube. Ela é uma adolescente no seu esplendor, mas sem nenhum apelo sexual, como é o caso da Melody, cuja a infância, infelizmente, está sendo roubada pelos pais”, compara.

Preocupação dos pais em embelezar os filhos

A psicóloga e psicoterapeuta Denise Gaelzer Mac Ginity, mestre em Psicanálise e estudos Psicanalíticos pela Universidade Paris 7, que trabalhou com crianças no Brasil e na França, percebe que os pais franceses estão menos preocupados em embelezar os filhos. “Consequentemente, as crianças não estão sendo forçadas à sexualização. Vejo que aqui as crianças estão conseguindo viver sua infância por mais tempo, até chegar à adolescência”, salienta.

Além disso, a especialista nota que o interesse de certas crianças no embelezamento é encarado de forma lúdica por mães e pais franceses, mais como uma brincadeira como uma questão estética. “Eu vejo que no Brasil, os pequenos que gostam disso acabam gerando um comportamento exagerado dos pais, que levam os filhos no salão de beleza, fazem aquelas festas imensas de aniversário, e transformam as crianças em miniadultos”, diz.

Para a psicóloga, dois fenômenos justificam esse comportamento dentro das famílias brasileiras: uma cultura do exagero ou “americanizada” e narcisista. “As mães e pais desta nova geração são temerosos de não cuidar bem de seus filhos e acabam misturando as suas fragilidades e frustrações com a educação das crianças. Desta forma, para curar suas próprias feridas, os adultos acreditam que é preciso realizar todos os desejos dos pequenos”, observa.

A psicóloga franco-brasileira Elisa dos Mares Guia-Menendez, que trabalha com crianças e adolescentes em Paris, aponta que a hipersexualização de menores pode ter graves consequências na adolescência ou vida adulta, como isolamento social e até depressão.

“A criança não tem consciência de que está sendo obrigada a se erotizar. Por isso, em um primeiro momento, pode até parecer que ela aprecia a situação ao atrair atenção com aquele comportamento sexualizado. No entanto, quando ela chegar à adolescência ou à vida adulta e se der conta do que aquilo significou, ela vai ficar sem chão”, avalia.

Por isso, a especialista aconselha que mães e pais estejam atentos para que a criança ou o adolescente não sejam forçados a desrespeitar as etapas da vida. Segundo ela, não existe uma fórmula mágica para isso: “É preciso que os pais expliquem às crianças sempre que algo não for adaptado à idade delas que aquilo não é positivo. É importante, quando necessário, aprender a dizer não e impor limites aos filhos”, finaliza.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.