Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”
 
Eduardo Rosse, professor de música e etnologia da Universidade de Minas Gerais (UFMG), especialista em música indígena. RFI

 “Desde a literatura romântica, existe o índio bom. Mas, bom ou não, ele sempre morre. O índio bom é o índio morto no Brasil”, analisou Eduardo Rosse, professor de música e etnologia da Universidade de Minas Gerais (UFMG), especialista em música indígena. Ele esteve em Paris ministrando uma conferência sobre saberes e conhecimentos ameríndios e afro-americanos na prestigiosa Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (EHESS), nesta terça-feira (8).

Sobre odecreto do presidente Jair Bolsonaro, que transferiu para o Ministério da Agricultura a demarcação de terras indígenas e quilombolas, Eduardo Rosse disse que se trata de “algo extremamente inquietante”. “Nosso novo presidente nitidamente desconhece a causa indígena, e ao mesmo tempo propõe medidas muito radicais. Dar a responsabilidade de decidir sobre demarcação de terras indígenas e quilombolas a um órgão claramente ligado à agroindústria equivale à visão de Bolsonaro em relação à causa indígena: torná-la branca o quanto antes”, avaliou.

O especialista acredita que o Brasil vive um “retrocesso de 60 anos”. “É um discurso que acreditávamos ultrapassado, que entende os índios como uma população que ainda não se tornou civilizada, urbana, brasileira”, disse o professor. Para Rosse, os avisos do antropólogo francês Claude Lévy-Strauss, de meio século atrás, em relação à proteção dos índios brasileiros, continuam mais do que nunca valendo em 2019.

“Há 60 anos, mesmo aqueles engajados no movimento indigenista acreditavam que, aos poucos, a população indígena seria absorvida pela população hegemônica. O que não aconteceu. A população indígena cresceu, há fortes indícios de ressurgências, com populações se retransformando em índios”, afirmou Rosse. Segundo ele, é “uma pena” que no meio de “um Brasil tão plural”, ressurjam políticas “unilaterais”. “Não é à tôa que os produtores rurais são monocultores, eles prezam uma cultura única, uma monosociedade”, comparou o especialista.

Sinal verde para a agressão aos indígenas

No dia 29 de outubro de 2018 os jornais brasileiros noticiaram um grupo de posseiros que, após, a eleição do novo presidente, e antes mesmo de sua posse, invadiram terras indígenas em Pernambuco, com o objetivo de amedrontar as populações locais, sob o argumento de que Bolsonaro havia sido eleito. Em Santa Catarina, uma liderança indígena assassinada no primeiro dia do ano. Há cinco dias, um grupo de madeireiros avançou sobre a terra indígena Arara, no Pará. Para o professor, a falta de respeito do Brasil em relação a suas culturas indígenas ancestrais é antiga, e se multiplica.

“O que nos inquieta também não são apenas os atos que vêm diretamente de políticas oficiais, mas a liberdade que esse tipo de política dá aos atos que não são oficiais, mas localizados, de posseiros, violências, existe um sinal verde para essas agressões”, analisa o especialista. “Realmente o Brasil, desde a literatura romântica, pensa o índio bom como o índio morto. Temos um jeito diferente da América do Norte de contar essa história, mas o nosso índio sempre foi anônimo, ele nunca teve nome, nunca teve cara, então a nossa ancestralidade indígena é apagada. Temos uma cultura de apagamento, de não querer lembrar esse passado”, afirmou Rosse.

O professor falou ainda sobre a conferência que o trouxe a Paris: “é um projeto em curso hoje em dia em algumas universidades diferentes, chamado Encontro de Saberes e começou no ano de 2010 na Universidade de Brasília e hoje já se espalhou por Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Convidamos mestres de tradições negras, ameríndias e de outras tradições que trazem novos conteúdos e novas epistemologias para virem falar de sua experiência, biografias e saberes na UFMG”, contou Rosse.


Sobre o mesmo assunto

  • Segundo Le Monde, primeiros dias de Bolsonaro demonstram “agressividade e improvisação”

    Saiba mais

  • Brasil/França

    "No Brasil, uma mulher negra não vale nada", testemunha premiada autora africana

    Saiba mais

  • Brasil/Bolsonaro

    Porque o programa de governo de Bolsonaro choca os europeus

    Saiba mais

  • Brasil-África

    Declarações racistas de Bolsonaro e desinteresse econômico afastam líderes africanos do Brasil

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “Com FUNAI já era difícil demarcar terras indígenas, com ruralistas será mais complicado” diz ativista de ONG

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Projeto político de Bolsonaro cria desconfiança na Europa, diz historiadora francesa

    Saiba mais

  • Posse/Bolsonaro

    Posse de Bolsonaro é marcada por discurso ultraconservador e mal-estar com jornalistas

    Saiba mais

  • Em discurso de posse, Bolsonaro promete liberar país das “amarras ideológicas”, combater corrupção e “revigorar democracia”

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.