Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/03 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/03 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/03 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/03 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/03 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/03 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/03 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/03 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Na Itália, Cesare Battisti reconhece responsabilidade por quatro homicídios
Brasil

Após reunião com chanceler brasileiro, Mike Pompeo fala em nova relação do Brasil com EUA

media Mike Pompeo se encontrou com Ernesto de Araújo nesta quarta-feira (2) REUTERS/Ricardo Moraes

O novo ministro brasileiro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, comprometeram-se nesta quarta-feira (2) a construir uma "parceria mais intensa e muito mais elevada". Eles também disseram que vão lutar juntos contra "regimes autoritários", como Cuba e Venezuela.

O encontro entre os dois líderes aconteceu no Palácio do Itamaraty, em Brasília, e faz parte do alinhamento geopolítico do novo governo. Em seguida, Pompeo foi recebido por Bolsonaro no Palácio do Planalto, onde, na terça-feira (1), o presidente recebeu a faixa presidencial das mãos de Michel Temer.

Araújo declarou que teve uma "excelente conversa sobre como construir uma parceria mais intensa e muito mais elevada com os Estados Unidos", ressaltando que discutiram "sobre trabalhar juntos pelo bem e por uma ordem internacional diferente, que corresponda aos valores dos nossos povos".

Durante a entrevista coletiva, o ministro afirmou ainda que a nova relação com os Estados Unidos é consequência de um "realinhamento" interno e que "um país grande não precisa renunciar às suas ideias para criar oportunidades econômicas", ao ser perguntado se o alinhamento com o governo de Trump pode representar riscos comerciais com outros países, em uma referência velada à China.

Irmão dos EUA

Durante a campanha, Bolsonaro acusou Pequim, maior parceiro comercial do país, de estar "comprando o Brasil". Pompeo afirmou, por sua vez, que a aproximação com a maior potência latino-americana é "uma oportunidade transformadora para as duas nações" no âmbito do comércio e da segurança.

O secretário de Estado americano também disse que o Brasil tinha “tendências de eleger presidentes inimigos” dos Estados Unidos, mas que, a partir de agora, Brasília e Washington “eram amigos”. O presidente Trump parabenizou Bolsonaro, no Twitter, por seu “ótimo discurso de posse”.

Bolsonaro sempre demonstrou um tom pró-americano e Ernesto Araújo afirmou que “Trump pode salvar o Ocidente”. A política externa do novo presidente brasileiro deve se parecer com a dos Estados Unidos, com rejeição do multilateralismo e de governos de esquerda, aproximação com Israel e ceticismo climático.

A ex-embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, tuitou nesta quarta-feira: “É bom ter um novo dirigente pró-americano na América do Sul, que se unirá aos combates contra as ditaduras na Venezuela e em Cuba e que vê claramente o perigo da influência crescente da China na região.”

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.