Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 18/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/12 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/12 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas
 
A fundadora e diretora do projeto Pipa Social, Helena Rocha. RFI

A Pipa Social, um projeto de empoderamento de mulheres de favelas do Rio de Janeiro, oferece pela primeira vez ao público francês produtos desenvolvidos por estas artesãs cariocas. Paris recebe até o dia 7 de dezembro um bazar de Natal especial, com peças criadas fora do mercado formal de trabalho, a partir de diretivas que respeitam a tríade formação, inclusão e integração.

O projeto Pipa Social trabalha com o desenvolvimento de talentos de forma criativa, inclusiva, integrada e comprometida com o bem estar das artesãs das favelas cariocas. Segundo sua diretora, Helena Rocha, o terceiro setor capacita muito bem esta mão-de-obra no Brasil. “Tanto Ongs quanto o Senai oferecem cursos de capacitação excelentes, mas a entrada no mercado não acontece, principalmente no Rio de Janeiro, uma cidade que está quebrada e com muitos problemas, como o tráfico de drogas, milícias e muita violência”, conta.

“Uma mulher de uma favela carioca não tem oportunidade de mostrar seus talentos. Ela fica muito frustrada quando ganha o diploma e sabe que tem esse talento, mas não consegue mostrá-lo por falta de oportunidade”, diz Helena. Segundo ela, a Pipa Social existe para qualificar essas pessoas e colocá-las no mercado. “Ninguém contrata uma pessoa que sabe jazer bijuteria ou bordado. Então as preparamos profissionalmente para entrar neste mercado de forma autônoma. Temos parcerias fantásticas com o mundo acadêmico e corporativo, com resultados financeiros concretos para estas mulheres”, relata.

Profissão valoriza a mulher dentro de casa

“A partir do momento em que elas têm uma informação adequada de o que é a profissão, elas passam a ter consciência de que têm uma profissão de fato, e de que elas podem realmente viver disso. E isso faz uma diferença enorme”, afirma Helena Rocha.

“Essas mulheres passam a ser matriarcas de suas famílias. Passam a conviver numa briga frequente com o tráfico e com as milícias para segurar seus filhos dentro de casa, para que eles não sejam cooptados”, conta Rocha. Ela diz ainda que com a falta de emprego de seus maridos e com a ausência do homem dentro do mercado formal de trabalho, elas passam a ter mais orgulho dentro de casa, porque possuem um trabalho. “Toda a família, incluindo filhos e maridos, passam a respeitar muito mais essa mulher, que consegue aglutinar essa família”, diz.

O Bazar de Natal do projeto Pipa Social acontece no Atelier Bridaine, no número 8 da rua Bridaine, no 17° distrito de Paris, até o dia 7 de dezembro.


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    “O lugar da mulher é onde ela quiser”, diz líder comunitária

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “Quem precisa ser pacificada no Rio é a própria polícia”, afirma especialista em favelas

    Saiba mais

  • A Semana na Imprensa

    Rocinha encarna a redenção impossível das favelas, diz Le Monde

    Saiba mais

  • Guerra na Rocinha tem como pano de fundo impotência do poder público, segundo Le Figaro

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.