Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Brasileiro que matou família na Espanha é condenado à prisão perpétua

media Conhecido como "o esquartejador de Pioz", Patrick Gouveia pode ser condenado à prisão perpétua. Reprodução/Facebook

Um tribunal espanhol condenou o brasileiro Patrick Nogueira à prisão perpétua nesta quinta-feira (15), por esquartejar seus dois tios e assassinar dois primos de um e três anos, em 2016, um crime que chocou a Espanha. Réu confesso, Nogueira, de 22 anos, recebeu a pena máxima prevista no Código Penal espanhol.

A sentença pode ser revista após o cumprimento de 25 anos, de acordo com a decisão lida pela presidente do tribunal de Guadalajara, María Elena Mayor. O jovem estava preso há dois anos, após ter se entregado à polícia espanhola.

Ele confessou ter assassinado primeiramente a tia, Janaína Santos Américo, de 39 anos, e seus dois filhos, de 1 e 4 anos. No momento do crime, Marcos Campos, de 40 anos, tio de Nogueira, não estava em casa, mas o assassino afirmou ter esperado sua chegada para matá-lo em seguida.

Os adultos foram esquartejados e os pedaços dos corpos foram colocados em sacolas plásticas. Gouveia teve o cuidado de limpar a casa, onde os restos mortais das vítimas foram encontrados um mês depois, devido ao odor nos arredores da residência.

Crime foi incentivado por WhatsApp

Enquanto cometia os crimes, Gouveia trocou mensagens por WhatsApp com um amigo no Brasil, Marvin Henriques, a quem "pedia conselhos, relatava o que estava fazendo e enviava fotografias dos cadáveres, recebendo por parte de seu interlocutor mensagens de incentivo", afirma um documento judicial da Espanha. Henriques está em liberdade provisória e aguarda o julgamento no estado da Paraíba como cúmplice do crime.

Nogueira fugiu em 20 de setembro de 2016 para João Pessoa (PB). Mas, no dia 19 de outubro, retornou à Espanha, onde se entregou voluntariamente, convencido por sua família de que era melhor ser condenado na Espanha do que no Brasil.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.