Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

“Moro adere ao programa repressivo de Bolsonaro”, diz Le Monde

media Sérgio Moro em Curitiba, em 7 de outubro de 2018. REUTERS/Rodolfo Buhrer

Segundo o jornal francês, em edição desta quarta-feira (7), Moro “assume seu papel político”. O vespertino destaca que “o juiz anticorrupção brasileiro, destinado ao posto de ministro da justiça e da segurança, elogiou a ‘moderação’ do presidente eleito”.

Le Monde começa o artigo descrevendo de que forma o juiz Sérgio Moro, “herói da luta anticorrupção no Brasil”, tentou explicar como, “ele que jurava há dois anos nunca abraçar uma carreira política”, deseja “desempenhar um papel no próximo governo”.

“Durante uma coletiva de imprensa em Curitiba, o juiz afirmou não possuir nenhum “projeto de poder”, conta o vespertino. Impulsionado por Bolsonaro, “inimigo do ex-chefe de Estado, Luiz Inácio Lula da Silva”, ele assegura que “minha nomeação não é uma recompensa” e nega qualquer “perseguição política”, afirma Le Monde.

Aos que se preocupam em vê-lo colaborar com um presidente “descontente” com os direitos humanos e a liberdade de imprensa, “o juiz assegura ter aceito o convite do militar de reserva sob a condição de que as ações sejam conduzidas “com respeito às leis, à Constituição e os direitos fundamentais”, relata o periódico.

De “juiz provinciano” a “ícone popular”

“Ontem um pequeno juiz provinciano, hoje um ícone popular, Sérgio Moro não escondeu sua oposição a certas ideias de futuro presidente”, conta o jornal. Sobre a afirmação “bandido bom é bandido morto”, de Bolsonaro, “o juiz explicou que o confronto entre as forças de ordem e os criminosos, e seus “efeitos colaterais”, não seriam o “método de trabalho privilegiado”. Le Monde conta ainda que Moro reprova classificar os integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) como “terroristas”.

Diante de um chefe de Estado determinado a lotar prisões já superlotadas, “Moro explicou que as revisões de penas, assim como a libertação de prisioneiros por crimes graves, deverão ser reanalisadas”, conta o vespertino. “O juiz também se diz pronto a abordar a questão da redução da maioridade penal de 18 a 16 anos, por crimes graves ou estupros, uma medida aprovada por 80% dos brasileiros”, publica o jornal.

Le Monde considera que, aceitando fazer parte do governo de Jair Bolsonaro, Sérgio Moro oferece um “crédito extra” ao líder de extrema direita, “fazendo-o se beneficiar de sua aura de caçador de corruptos”. “Ao se juntar a uma boa parte do programa repressivo do presidente eleito, o juiz vai além... Alguns analistas preveem que Moro poderia até concorrer à eleição presidencial de 2022”, conclui o periódico.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.