Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Revista francesa traz perfil de vice de Bolsonaro, um “general sinistro”

Por
Revista francesa traz perfil de vice de Bolsonaro, um “general sinistro”
 
Mourão é apagado na reta final, mas representa um perigo, diz revista francesa Reprodução/Le Monde

A revista M do jornal francês Le Monde traz esta semana uma reportagem sobre Hamilton Mourão, o vice do candidato do PSL na corrida presidencial brasileira. Com o título “O sinistro general na sombra de Jair Bolsonaro”, o texto explica como o militar tem sido apagado da campanha para evitar declarações desastrosas na reta final.

A reportagem começa relatando uma cena na noite do primeiro turno da eleição presidencial brasileira, quando Mourão foi praticamente excluído no momento em que Bolsonaro apareceu diante das câmeras. O presidenciável preferiu privilegiar Paulo Guedes, analisa o texto.

No início, Mourão ajudou o presidenciável, com sua legitimidade de militar, explica a correspondente da revista no Brasil. Mas de uns tempos para cá, “Bolsonaro teme as gafes políticas”, como quando o general falou do 13° salário como uma aberração ou quando anunciou que a Constituição poderia ser reescrita, sem acordo do Congresso ou dos eleitores, comenta a reportagem.

A revista lembra que Mourão não era a primeira escolha de Bolsonaro. O general só conquistou o lugar de vice na campanha após Janaína Paschoal ter recusado a oportunidade. Além disso, o nome de Luiz Philippe de Orléans e Bragança, o segundo na lista de possíveis candidatos, teria sido descartado após um desentendimento com o presidenciável.

Mesmo assim, explica a reportagem, Mourão terá um peso no governo brasileiro com uma possível vitória de Bolsonaro. “Em caso de ausência ou impedimento do presidente, ele dirige o país”, lembra o texto. “E se Bolsonaro assusta os defensores dos direitos humanos, os negros, os mestiços, as comunidades LGBT e, de maneira mais global, os democratas, Mourão suscita um verdadeiro pânico” compara a correspondente do Le Monde no Brasil, lembrando das declarações sobre o “ "branqueamento [sic] da raça" ou sobre a ditadura feitas pelo militar, que não poupa elogios a torturadores.

“O general faz parte de um grupo de militares e policiais que se tornaram protagonistas desta eleição”, explica o texto. “Após o primeiro turno, 73 membros ou ex-membros das forças de ordem foram eleitos no Senado ou na Câmara dos deputados, contra 18 na eleição anterior”, relata a reportagem. Para a revista, esse é o sintoma de um país, ferido pela crise, pelos escândalos de corrupção e a insegurança, e que agora “tem sede de ordem e autoridade” e isso seria encarnado pelos militares. Apesar da opressão que o período de ditadura representou para o país.


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    Gregório Duvivier: Dos 50 tons de antipetismo, o Brasil escolheu o ditatorial

    Saiba mais

  • Brasil

    Bolsonaro criou "uma bolha de interesses conservadores e liberais" no sul do país, avalia sociólogo

    Saiba mais

  • Ditadura/Brasil

    “Militares não foram nada corretos, foram assassinos”, diz pesquisadora

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.