Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/01 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/01 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 13/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 13/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Brexit/Reino Unido: Governo de Theresa May escapa por pouco de moção de censura

Revista francesa traz perfil de vice de Bolsonaro, um “general sinistro”

Por
Revista francesa traz perfil de vice de Bolsonaro, um “general sinistro”
 
Mourão é apagado na reta final, mas representa um perigo, diz revista francesa Reprodução/Le Monde

A revista M do jornal francês Le Monde traz esta semana uma reportagem sobre Hamilton Mourão, o vice do candidato do PSL na corrida presidencial brasileira. Com o título “O sinistro general na sombra de Jair Bolsonaro”, o texto explica como o militar tem sido apagado da campanha para evitar declarações desastrosas na reta final.

A reportagem começa relatando uma cena na noite do primeiro turno da eleição presidencial brasileira, quando Mourão foi praticamente excluído no momento em que Bolsonaro apareceu diante das câmeras. O presidenciável preferiu privilegiar Paulo Guedes, analisa o texto.

No início, Mourão ajudou o presidenciável, com sua legitimidade de militar, explica a correspondente da revista no Brasil. Mas de uns tempos para cá, “Bolsonaro teme as gafes políticas”, como quando o general falou do 13° salário como uma aberração ou quando anunciou que a Constituição poderia ser reescrita, sem acordo do Congresso ou dos eleitores, comenta a reportagem.

A revista lembra que Mourão não era a primeira escolha de Bolsonaro. O general só conquistou o lugar de vice na campanha após Janaína Paschoal ter recusado a oportunidade. Além disso, o nome de Luiz Philippe de Orléans e Bragança, o segundo na lista de possíveis candidatos, teria sido descartado após um desentendimento com o presidenciável.

Mesmo assim, explica a reportagem, Mourão terá um peso no governo brasileiro com uma possível vitória de Bolsonaro. “Em caso de ausência ou impedimento do presidente, ele dirige o país”, lembra o texto. “E se Bolsonaro assusta os defensores dos direitos humanos, os negros, os mestiços, as comunidades LGBT e, de maneira mais global, os democratas, Mourão suscita um verdadeiro pânico” compara a correspondente do Le Monde no Brasil, lembrando das declarações sobre o “ "branqueamento [sic] da raça" ou sobre a ditadura feitas pelo militar, que não poupa elogios a torturadores.

“O general faz parte de um grupo de militares e policiais que se tornaram protagonistas desta eleição”, explica o texto. “Após o primeiro turno, 73 membros ou ex-membros das forças de ordem foram eleitos no Senado ou na Câmara dos deputados, contra 18 na eleição anterior”, relata a reportagem. Para a revista, esse é o sintoma de um país, ferido pela crise, pelos escândalos de corrupção e a insegurança, e que agora “tem sede de ordem e autoridade” e isso seria encarnado pelos militares. Apesar da opressão que o período de ditadura representou para o país.


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    Gregório Duvivier: Dos 50 tons de antipetismo, o Brasil escolheu o ditatorial

    Saiba mais

  • Brasil

    Bolsonaro criou "uma bolha de interesses conservadores e liberais" no sul do país, avalia sociólogo

    Saiba mais

  • Ditadura/Brasil

    “Militares não foram nada corretos, foram assassinos”, diz pesquisadora

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.