Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 10/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Brasil ocupa 81° lugar no Índice de Capital Humano do Banco Mundial

media O presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, apresentou os resultados do Índice de Capital Humano em Bali REUTERS/Johannes P. Christo

O Banco Mundial divulgou nesta quinta-feira (11) seu Índice de Capital Humano. O novo sistema, revelado durante a reunião anual entre a instituição e o Fundo Monetário Internacional (FMI), na ilha indonésia de Bali, posiciona o Brasil bem longe de seus vizinhos latino-americanos.

O índice, realizado em forma de ranking, analisa os países em função dos investimentos em saúde e educação para o desenvolvimento do capital humano. Dos 157 países do planeta, o que apresenta a pior situação é o Chade.

O Brasil aparece em 81ª posição bem abaixo de vizinhos do continente como Argentina (63º lugar), Equador (66º) ou Peru (72º). Entre os latino-americanos, o Chile é o que aparece em melhor situação, no 45° lugar.

O dispositivo, que avalia critérios como mortalidade antes dos cinco anos de vida, escolarização e pautas de saúde, foi liderado por países asiáticos. Singapura está no topo da lista, seguido de Coreia do Sul, Japão, Hong Kong.

Segundo o Banco Mundial, o capital humano consiste em conhecimento, habilidades e a saúde que uma pessoa pode acumular em sua vida. "Frequentemente esse capital é o único que possuem as pessoas mais pobres”, defende o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim. “É um dos fatores essenciais de um crescimento econômico sustentável e inclusivo. Porém, os investimentos em saúde e educação não receberam a atenção que mereciam (...) Espero que esse índice encoraje os países a adotar medidas urgentes e investir mais e melhor nas populações”, continua.

Nessa primeira edição, o dispositivo mostrou, por exemplo, que 56% das crianças nascidas hoje serão privadas de mais da metade de sua renda potencial quando chegarem à idade adulta, em razão da falta de investimentos em educação.

Índice de Capital Humano pretende propor uma abordagem menos econômica que o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que leva em conta indicadores como a expectativa de vida ao nascer, a média de anos de escolaridade, mas também a renda per capita da população. No caso do IDH, o Brasil esteve em 79º lugar no ranking mundial de 2017, liderado por Noruega, Austrália, Suíça, Alemanha e Dinamarca. Os últimos colocados são República Centro-Africana (188°) e Niger (187°).

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.