Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 20/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 20/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Em editorial, Le Monde diz que Brasil perdeu o controle do seu destino

media Editorial do jornal francês Le Monde em 8 de setembro de 2018. Reprodução

O jornal francês Le Monde publicou neste sábado (8) um editorial intitulado "Brasil: o naufrágio de uma nação". O texto fala do ataque sofrido pelo candidato à presidência Jair Bolsonaro e considera que o episódio é "mais uma ameaça à jovem democracia brasileira" e que a campanha eleitoral "pode se radicalizar ainda mais".

Segundo o editorial, a agressão é prova do clima extremamente tenso que prevalece atualmente. Para o Le Monde, desde a "destituição controversa da presidente de esquerda Dilma Rousseff, em 2016, o país parece ter perdido o controle do seu destino".

O jornal descreve o país como "desorientado" e diz que os brasileiros estão em busca de um líder capaz de "devolver ao país seu esplendor".

Sobre Bolsonaro, o Le Monde diz que ele é um "militar da reserva com discurso raivoso e provocador" e ressalta que a violência contra ele pode ajudá-lo nas pesquisas e poupá-lo de ter que comparecer a embates televisivos, como os debates. Ele poderia assim, ter um maior controle sobre sua imagem, já que apareceria basicamente através dos vídeos gravados com celular, feitos por ele próprio e divulgados nas mídias sociais.

O texto lembra ainda que este não foi o primeiro episódio de violência na campanha e cita os tiros contra a caravana do ex-presidente Lula e contra um apoiador do Partido dos Trabalhadores em Curitiba. Também cita o discurso do próprio Bolsonaro em que ele dizia que era preciso fuzilar os "petralhas". "A agressão com uma faca contra o candidato de extrema direita marca uma nova etapa dessa escalada sem controle e contradiz a imagem desse 'país cordial' que seria o Brasil", ressalta a publicação.

O editorial termina desejando que o episódio sirva como um choque que sirva para incentivar a sociedade brasileira a encontrar uma solução democrática para seus males. Mas ressalta que, neste momento, isso parece difícil.

 
O tempo de conexão expirou.