Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/07 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Boeing fica com 80% da Embraer e ações da companhia brasileira caem 15%

media Embraer é o terceiro maior construtor de aeronaves no mundo. Wikipedia

A americana Boeing vai assumir o controle das atividades civis da brasileira Embraer, com a formação de uma joint venture avaliada em 4,75 bilhões de dólares, que vai lhe permitir concorrer com a europeia Airbus no setor de aeronaves regionais. O protocolo de acordo foi anunciado nesta quinta-feira (5), poucos dias depois de a Airbus selar uma aliança com a canadense Bombardier para fabricar aviões de médio alcance C Series, concorrentes da Embraer.

O novo grupo, de capital fechado, será controlado em 80% pela Boeing, e apenas 20% ficarão com a Embraer. O grupo americano vai gerenciar as "atividades da Embraer no setor da aviação comercial e de serviços", indica um comunicado conjunto dos novos sócios.

O acordo final será submetido à aprovação do governo brasileiro - que dispõe de uma "golden share", que dá poder de veto a Brasília em questões estratégicas da Embraer. As duas empresas "vão se posicionar para oferecer um portfólio completo de aviões comerciais altamente complementar (de 70 a mais de 450 assentos)", segundo o comunicado.

A transação, que acontece depois de inúmeras especulações, vai permitir à Boeing completar seu portfólio com aparelhos com uma capacidade de até 150 assentos. A sede da empresa ficará nas instalações da Embraer em São José dos Campos, em São Paulo, mas "o controle operacional e de gestão da nova empresa" estará sob supervisão direta do CEO da Boeing, Dennis Muilenburg.

Queda espetacular na bolsa de valores

A expectativa é que a associação seja contabilizada a partir do começo de 2020 no capital da Boeing. Os mercados tinham festejado com forte alta nos últimos meses a perspectiva de aproximação entre a Boeing e a Embraer, mas receberam o anúncio desta quinta-feira com péssimo humor: pouco depois de meio-dia, as ações da companhia brasileira na Bovespa caíram mais de 15%.

Às 11h55, os papéis da Embraer eram negociados a R$ 23,87, uma queda de 11,47% em relação ao fechamento da véspera. Mas, de acordo com Jason Vieira, da consultoria Infinity Assets, o mercado também pode estar manifestando certa surpresa pela avaliação um pouco pior que o esperado da nova aliança.

Desde que foi anunciado que Boeing e Embraer estavam em negociações, em 21 de dezembro do ano passado, até esta quarta-feira, 4 de julho, as ações da Embraer tiveram alta de 63%.

A Embraer é a terceira fabricante aeronáutica mundial, com um volume de negócios de $ 6 bilhões e 16.000 empregados. Privatizada em 1994, é uma das joias da indústria brasileira, com uma gama de aviões civis, militares e também jatos executivos.

A Boeing, gigante aeroespacial dos Estados Unidos, reportou lucros de $ 2,5 bilhões no primeiro trimestre do ano, 56,9% a mais do que no mesmo período de 2017. A receita subiu 6,5%, a $ 23,4 bilhões, no período.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.