Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Brasil sofre e só vence Costa Rica com gols na prorrogação

media Philippe Coutinho e Neymar fizeram os gols da vitória do Brasil sobre a Costa Rica. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Irreconhecível no primeiro tempo e desperdiçando muitos gols na etapa final, a seleção brasileira só chegou à esperada vitória na segunda partida da Copa nesta sexta-feira (22), na Zenit Arena de São Petersburgo, nos acréscimos da partida, com Coutinho e Neymar. Com o resultado, a seleção assume provisoriamente a liderança do grupo E.

Do enviado especial a São Petersburgo

A seleção brasileira contava com um jogo difícil contra a Costa Rica, que veio para o gramado com um forte esquema defensivo e apostando nos contra-ataques. Em um deles quase chegou ao gol pela direita, aos 13 minutos, mas Borges chutou para fora. Foi a oportunidade mais clara de gol na etapa inicial. Fechada na defesa, a Costa Rica anulou as principais opções de ataque do Brasil.

Neymar, bem marcado, pouco criou e as variações de jogadas pela direita com William também não se concretizavam. O Brasil tentou até com chutes de fora da área, com Coutinho e com Marcelo, mas sem sucesso.

Com Douglas Costa no lugar de William, a seleção voltou para o segundo tempo mais ofensiva e foi para o ataque. Foram várias  as oportunidades criadas, e todas elas desperdiçadas, seja pela falta de finalização ou defesas do goleiro costa-riquenho. Neymar desperdiçou uma das principais chances no tempo regulamentar ao ficar de frente com Navas, mas bateu para fora. Em um dos lances, obteve um pênalti assinalado pelo juiz principal, mas a arbitragem de vídeo anulou a marcação, sugerindo mais uma simulação do atacante do que falta grave..

Para pressionar e tentar furar o forte bloqueio defensivo, Tite tirou Paulinho para a entrada de mais um atacante, Roberto Firmino. Mais preocupada em não tomar gols, a Costa Rica pouco arriscou no ataque. Foram 22 chutes a gol do Brasil e apenas três do rival.

Philippe Coutinho abre placar

Com seis minutos de prorrogação, o Brasil foi todo para o ataque e no primeiro minuto, Philippe Coutinho aproveitou uma bola de dentro da área e abriu o placar para o Brasil. Atrás no placar, a Costa Rica tentou o tudo ou nada e no contra-ataque, a seleção ampliou com Neymar, completando uma jogada pela direita nos segundos finais.

Com quatro pontos, a seleção depende apenas de si para avançar à próxima fase e terá seu último jogo contra a Sérvia, no dia 27, em Moscou. A Costa Rica, com duas derrotas, foi eliminada do Mundial.

Esta foi a terceira vitoria do Brasil contra a Costa Rica em Copas do Mundo. Em 1990, o Brasil venceu por 1 a 0 e, em 2002, a seleção passou pelos costa-riquenhos por 5 a 2.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.