Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Artista plástica brasileira exibe em Paris obras inspiradas em arquitetos modernistas

Artista plástica brasileira exibe em Paris obras inspiradas em arquitetos modernistas
 
A arquiteta e artista plástica brasileira Patricia Golombek apresenta exposição na galeria Meyer Zafra, no bairro do Marais. RFI

A galeria de arte Meyer Zafra, no bairro do Marais, expõe até o início de setembro obras da arquiteta e artista plástica brasileira Patricia Golombek selecionadas para a exposição "Le Corbusier e sua influência na arquitetura brasileira". "Comecei a pintar, há três anos, quadros inspirados na análise de elementos estruturais encontrados em plantas baixas", explica a artista em entrevista à RFI.

Desde 2015, a artista colocou a arquitetura no centro de seu trabalho. Sua primeira inspiração foi um diálogo plástico entre o arquiteto americano de origem russa Morris Lapidus e o brasileiro Paulo Werneck. Pouco a pouco, seu trabalho se transformou num estudo analítico da arquitetura, a partir de plantas baixas. Segundo Patricia, é nesta fase que os arquitetos imprimem suas ideias e deixam marcas que serão posteriormente reconhecidas por todos.

"Nesta minha primeira exposição em Paris, exploro monumentos criados por artistas e arquitetos brasileiros, como Candido Portinari, Athos Bulcão e Oscar Niemeyer, influenciados pela obra do franco-suíço Le Corbusier. São telas dípticas: do lado esquerdo aparece o prédio; do lado direito, a obra de arte. Eu faço comparações. Cada quadro que eu faço é um pedaço da história da arquitetura e de uma história por trás dele", destaca Patricia.

Le Corbusier entrou em contato com Lucio Costa e os arquitetos brasileiros durante sua primeira viagem ao Brasil, em 1936. Naquela época, o país vivia em um contexto de modernização e amadurecimento do debate sobre a identidade nacional. Era uma relação complexa, que reverberava no trabalho do mestre suíço e de seus discípulos sul-americanos, e foi bem mais profunda do que uma simples influência de Le Corbusier na arquitetura.

Projetos completos

Patricia lembra que Le Corbusier levou para o Brasil o conceito de "projetos completos", que associam arquitetura, artes e paisagismo. "Na sede do Ministério da Educação e Saúde no Rio de Janeiro, projetado por Le Corbusier junto com Lucio Costa, Carlos Leão, Eduardo Reidy, Ernani Vasconcelos e Oscar Niemeyer, na época ainda estudante, existe um painel de azulejos de Candido Portinari", explica Patricia. Os elementos estruturais ali representados inspiraram uma pintura mural da artista em exposição atualmente em Paris.

Ela também traz à capital francesa uma instalação inspirada em elementos estruturais da obra de Oscar Niemeyer e dípticos relacionados com projetos de Niemeyer para Brasília em parceria com Athos Bulcão, no Supremo Tribunal Federal, na Estação de Ferroviária de Brasília e na Câmara dos Deputados.

Além dos modernistas, a brasileira também aprecia as soluções diferenciadas encontradas nas obras do veneziano Carlos Scarpa, do japonês Tadao Ando e do brasileiro Burle Marx, entre outros grandes arquitetos.

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.