Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 15/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 15/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 15/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 11/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 11/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

"Compromisso de ONG Líderes para a Paz é promover soluções pacíficas para conflitos", diz Antonio Patriota

 
O ex-ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota Elcio Ramalho

Representante do Brasil na ONG Líderes para a Paz, lançada oficialmente nesta segunda-feira (14) em Paris, o ex-ministro das Relações Exteriores do governo Dilma Rousseff e atual embaixador na Itália, Antonio Patriota, destacou a importância de novos mecanismos diplomáticos para lutar por mais diálogo e contribuir para atuar nos diversos conflitos mundiais.

A nova organização é uma iniciativa do ex-primeiro-primeiro ministro francês Jean-Pierre Raffarin e reúne no total 26 personalidades de vários continentes, entre elas ex-chefes de governo, ex-chanceleres e o ex-secretário geral da ONU, Ban-Ki-moon. Patriota diz ter sido escolhido pela longa tradição da ação diplomática brasileira no cenário internacional. Sua experiência pessoal estará também a serviço da nova organização não-governamental.

“O objetivo é promover um diálogo sobre as principais ameaças à paz em um contexto de mudança geopolítica importante. E a partir desse diálogo procurar contribuir para identificar linhas de ação para criar um cenário internacional de maior de cooperação levando à estabilidade e ao desenvolvimento sustentável”, explicou.

“O meu papel é refletir a orientação da diplomacia brasileira, que é uma orientação de diálogo ecumênico. Temos relações diplomáticas com todos os países, uma das maiores redes de embaixadas no mundo e um engajamento muito forte com os organismos multilaterais”, destacou.

Patriota reafirmou que o compromisso do grupo Líderes para a Paz é promover soluções para os conflitos mundiais pela via pacífica, alinhado com a promoção da Carta das Nações Unidas, e contribuir para o “surto diplomático” evocado pelo atual secretário-geral da entidade, António Guterres.

Relatório aponta três exemplos de crises

O documento de criação da ONG alerta para o progresso do maniqueísmo e das ações unilaterais diante das fragilidades de organismos multilaterais que precisam de reformas, em uma clara referência às Nações Unidas.

Ex-representante do governo brasileiro junto à ONU, Patriota destacou na entrevista à RFI Brasil a importância da atuação da instituição baseada em Nova York, mas defendeu a necessidade de reformas do Conselho de Segurança. “As Nações Unidas precisam se adaptar melhor à nova geopolítica mundial. A tarefa estratégica central, que é a reforma do Conselho de Segurança ainda não foi concluída. Como está, ele é insatisfatório. Precisamos adaptá-lo aos novos interlocutores internacionais que têm influência global”, afirmou.

Para o primeiro Fórum dos Líderes para a Paz, três crises foram escolhidas para exemplificar as ameaças à paz que necessitam uma atenção particular da comunidade internacional: a situação da Líbia e de seus vizinhos, a fronteira entre os Estados Unidos e o México que trazem consequências para a América Latina e o impacto das mudanças climáticas na Ásia. Um relatório apresentado pelo diplomata francês Pierre Vimont apresentou os desafios para a solução desses conflitos.

Saída dos Estados Unidos do acordo sobre o Irã preocupa

Apesar dos temas escolhidos, o Fórum também abriu espaço para discussões sobre outros temas da atualidade internacional, como a situação na Síria, a transferência da embaixada dos Estados Unidos em Israel de Tel Aviv para Jerusalém e a saída dos Estados Unidos do acordo nuclear iraniano.

“Houve uma conversa ampla sobre o cenário internacional, uma condenação consensual das ações unilaterais e a convergência sobre o momento político que vivemos, os desafios, os problemas, mas também as forças de cooperação”, afirmou. “Esse grupo, que é composto por personalidades de várias partes do mundo é um exemplo de um diálogo inclusivo. Muitas vezes não se encontram soluções aos problemas porque nem todos são convidados à mesa (de negociação)”, afirmou.

O Fórum promovido pela ONG Líderes para a Paz deve se reunir uma vez por ano e os próximos encontros devem definir uma melhor estratégia de atuação e escolha dos temas a serem debatidos pelos líderes globais, segundo Patriota. “Muitos defendem que devemos nos concentrar em temas mais prementes. A situação mencionada pela maioria dos participantes foi a do desafio que representa a saída dos Estados Unidos do acordo sobre o Irã”, exemplificou.

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.