Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/08 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 12/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 12/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Brasileiras participam de ato feminino em Cannes por mais igualdade entre gêneros

media Mulheres protestam nas escadarias de Cannes. REUTERS/Jean-Paul Pelissier

O tapete vermelho mais famoso dos festivais de cinema virou importante plataforma de protesto. No sábado (12), 82 mulheres que trabalham na indústria cinematográfica subiram as escadarias do Palácio dos Festivais por equidade de gênero e segurança para a mulher no mundo do cinema.

Enviada especial a Cannes

Para a atriz brasielira Mariana Ximenes, que participou do ato, "foi um protesto de inclusão e igualdade". Ela está em Cannes para promover O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues.

"É muito bom ser mulher, estar aqui, como atriz que é meu oficio, celebrando este momento, esta união e força feminina, com olhares de todo o mundo. É uma questão que a gente precisa debater e refletir ”, opina Mariana.

E por que 82 mulheres? Porque desde a criação do festival, que está em sua 71ª edição, apenas 82 filmes dirigidos por mulheres foram selecionados para a competição oficial, contra 1.645 longas dirigidos por homens. Este ano, são apenas três cineastas entre 21 concorrentes: Eva Husson (Les Filles du Soleil), Alice Rohrwacher (Lazzaro Felice) e Nadine Labaki (Capharnaum).

“Eu acho que a gente precisa falar de uma opressão histórica sobre as mulheres, sobre as pessoas pretas, sobre as minorias políticas. Principalmente neste último ano, a gente se propôs a falar e as pessoas se propuseram a ouvir. É importante que, tanto nos grandes festivais ou nas periferias, as mulheres estejam na luta, que elas estejam se posicionando e lutando”, declarou à RFI Brasil Bruna Linzmeyer, que vive a contorcionista Beatriz em O Grande Circo Místico. Ela também participou da ação.

Cate Blanchett, presidente do júri da Palma de Ouro estava lá, assim como a diretora e artista plástica Agnès Varda. As atrizes Kristen Stewart, Léa Seydoux, Salma Hayek, Marion Cotillard, Julie Gayet e outras dezenas estavam lá. Entre as  brasileiras, estava a diretora Beatriz Seigner, que concorre ao prêmio da Quinzena dos Realizadores, com Los Silencios. Marie-Christine Saragosse, diretora-geral do grupo France Média Mondes, do qual a RFI faz parte, também subiu as escadas do Festival para o ato.

Inclusão e igualdades

Entre as reivindicações das mulheres está a equiparação salarial entre gêneros e um ambiente seguro para mulheres, sete meses depois que estourou o escândalo envolvendo Harvey Weinstein, o produtor americano que durante décadas abusou de mulheres na indústria cinematográfica.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.