Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Tribunal europeu suspende extradição de Raul Schmidt para o Brasil

media O empresário luso-brasileiro Raul Schmidt foi preso na última sexta-feira (13) em Portugal. Reprodução YouTube

A Corte Europeia de Direitos Humanos suspendeu na noite de segunda-feira (16) a extradição do operador financeiro luso-brasileiro Raul Schmidt para o Brasil. Ele foi preso na última sexta-feira (13) em Portugal, dentro da operação Lava-Jato.

A imprensa portuguesa desta terça-feira (17) informa que somente em maio o Tribunal de Estrasburgo terá acesso a todas as informações sobre o caso e tomará uma decisão definitiva sobre a extradição de Schmidt, que tem cidadania brasileira e portuguesa.

Segundo o advogado do operador, Alexandre Mota Pinto, a corte considerou a violação do 3° artigo da Convenção Europeia dos Direitos Humanos, que proíbe a exposição de um cidadão europeu a tratamento degradante. O tribunal considerou que o sistema prisional brasileiro não cumpre os padrões mínimos exigidos pela convenção.

Habeas corpus mantinha o empresário em liberdade

Raul Schmidt foi preso na última sexta-feira, pela segunda vez, em Portugal, depois que o Supremo Tribunal de Justiça do país revogou o habeas corpus que o mantinha em liberdade e determinou sua extradição para o Brasil. Os advogados de Schmidt entraram em março com a queixa no Tribunal Europeu.

No ano passado, o executivo brasileiro já havia sido detido na capital portuguesa, em um apartamento de luxo avaliado em € 3 milhões e que estaria em nome de uma offshore da Nova Zelândia. No local, policiais apreenderam obras de arte valiosas e documentos. Schmidt foi libertado em fevereiro deste ano pelo Tribunal da Relação de Lisboa, que determinou que o luso-brasileiro poderia aguardar em liberdade o julgamento de seu pedido de extradição.

Schmidt é suspeito de envolvimento no pagamento de propinas aos ex-diretores da Petrobras Jorge Zelada, Renato de Souza Duque e Nestor Cerveró, que também foram presos na Lava-Jato e estão detidos no Paraná. Segundo o Ministério Público Federal de Curitiba, Schmidt foi sócio de Zelada, ex-diretor da área internacional da Petrobras, na empresa TVP Solar.

Ele atuava como operador financeiro e intermediário de empresas internacionais na obtenção de contratos de exploração de plataformas da estatal. Antes de se instalar em Portugal, Schmidt vivia em Londres, onde mantinha uma galeria de arte.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.